Área da mata amazônica se torna moeda política

Redução da floresta do Jamanxim é mais um exemplo de descaso com a preservação ambiental

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Há pouco mais de um mês, o presidente Michel Temer vetou a Medida Provisória 756, que previa a redução da floresta nacional do Jamanxim, no Pará. No entanto, uma novo projeto de lei, que também visa a diminuição da área, tramita no Congresso. Pedro Luiz Côrtes, professor associado do Departamento de Informação e Cultura da Escola de Comunicações e Artes da USP e coordenador da Rede Internacional de Estudos Sobre Meio Ambiente e Sustentabilidade (Rimas), explica que a bancada ruralista quer a transformação de cerca de 349 mil hectares da floresta em área de preservação ambiental.

Foto: Cecília Bastos / USP Imagem

Na prática, Côrtes afirma que o uso da área passaria a ser muito mais flexível, permitindo, inclusive, a presença de propriedades privadas. Para o professor, o presidente cede às pressões do Congresso, pois está mais preocupado em fazer as composições políticas para se manter no cargo do que no interesse público de proteção da Amazônia. O pesquisador vê o episódio como mais um exemplo de como as questões ambientais são tratadas como moeda de troca dentro do cenário político.

O Jornal da USP, uma parceria do Instituto de Estudos Avançados, Faculdade de Medicina e Rádio USP, busca aprofundar temas nacionais e internacionais de maior repercussão e é veiculado de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.

Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Textos relacionados