Após vacinação em massa, cidade de Serrana vê retomada da economia

Associação Comercial e Industrial do município indica uma retomada econômica mais rápida que em outras cidades depois da implantação do Projeto S, coordenado pelo Instituto Butantan

Por
Fotomontagem sobre imagens do Portal da entrada de Serrana e do comércio da cidade – Fotos: Marco Aurélio Esparzcc via Wikimedia Commons/BY-SA 3.0, Reprodução/EPTV e Prefeitura Municipal de Serrana

 

Há mais de um ano, o mundo está praticamente parado. Além de provocar milhares de mortes no Brasil, estabelecimentos fechados e o aumento do desemprego são algumas das principais marcas da pandemia de covid-19 desde março de 2020. O fato é que o novo coronavírus também deixou a economia do País doente e uma retomada econômica mais rápida – assim como a chegada das vacinas – tornou-se o desejo dos brasileiros.

Localização de Serrana no Estado de São Paulo

Mas em Serrana, no interior do Estado de São Paulo, o Projeto S, coordenado pelo Instituto Butantan, imunizou quase 100% da população adulta do município e alimentou a esperança de que tudo vai ficar bem o mais breve possível, embora “seja prematuro perceber uma recuperação econômica neste momento”, ressalta Guinaldo Donizete Cavalheiro, presidente da Associação Comercial e Industrial (ACI) da cidade. 

“A gente vê com bastante otimismo e entusiasmo a retomada da economia, mas ainda estamos seguindo o Plano São Paulo e as flexibilizações estão ocorrendo de forma gradativa”, conta Cavalheiro. Apesar disso, “se os indicadores permitirem que retornemos ao funcionamento normal em detrimento de outras cidades, a recuperação será bastante abreviada”, acredita.

Ana Carolina Garavaso Pinho, empresária da cidade, partilha do mesmo sentimento. Mesmo com o fim do projeto de vacinação em massa, a empresária diz ainda não ter percebido uma retomada econômica mais forte na cidade, mas acredita numa mudança “um pouco mais rápida em Serrana que em outras cidades que não estão totalmente imunizadas.” Ana Carolina confia que, apesar do sucesso dos serviços on-line, com a imunização, “os clientes vão voltar a frequentar os estabelecimentos”.

Mais empresas e empregos

+ Mais

População de Serrana, atendendo ao pedido da ciência, compareceu em massa para se vacinar

Mas os próximos meses prometem a criação de novos empregos e a chegada de mais empresas, que já começaram a se instalar na cidade, como revela Cavalheiro. “A gente acredita que, nos próximos meses, cerca de 500 novos empregos diretos serão gerados aqui, além de muitos outros de forma indireta”, comemora.

Segundo o presidente da ACI de Serrana, oito novas empresas começaram a se instalar no município após o projeto de vacinação em massa. E o número pode aumentar, garante Cavalheiro, já que a cidade vem recebendo uma média diária de até quatro consultas sobre a possibilidade de instalação no município. A revolução da vacinação em Serrana, segundo Cavalheiro, também deu origem a um novo Centro Empresarial e Industrial, que deverá receber até 12 novas empresas de médio porte.

Atrativos

 

Além de Serrana receber novas empresas, empresários de outras cidades da região estão contratando mais colaboradores residentes em Serrana, pois “o fato de já estarem vacinados é um grande diferencial”, destaca.

Esse é somente um exemplo de que o projeto de vacinação em massa pode também beneficiar as cidades do entorno de Serrana, “porque a região tem muitas outras potencialidades”. Entre os atrativos, segundo Cavalheiro, estão a Rodovia Anhanguera, que corta a região, e a proximidade com a região do sul de Minas Gerais, com boa malha viária ligada ao município paulista.

Cavalheiro cita, ainda, como atrativos para o desenvolvimento econômico de Serrana, o Aeroporto Leite Lopes, em Ribeirão Preto, e a qualidade da água do Aquífero Guarani.

Vacinação em massa em Serrana – Foto: Comunicação Intituto Butantan

Exposição na mídia

Para a professora Janaína de Moura Engracia Giraldi, da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto (FEA-RP) da USP, “a cidade ainda pode se aproveitar da exposição midiática que está tendo”. Janaína aconselha Serrana a atentar para dois aspectos “importantes em gestão de marcas: consciência e imagem”.

A consciência, segundo a professora, “seria o quanto a cidade é conhecida”. Por se tratar de uma cidade do interior do Estado de São Paulo, a oportunidade de se tornar nacional, ou até internacionalmente conhecida, “pode favorecer a divulgação de seus produtos e serviços”.

Já a imagem, diz Janaína, envolve a criação de situações favoráveis para a cidade e exemplifica que “a gente pode pensar nas seguintes situações para essa pandemia: turismo médico, serviços de educação, parcerias de pesquisa, parcerias de gestão, entre outras possibilidades relacionadas ao estudo dessa vacina na cidade.”

Exemplo para o Brasil

A especialista da USP destaca ainda que “esta é uma oportunidade importante para o Brasil aprender que a vacinação em massa é essencial não só para a contenção da contaminação do vírus, para a redução das internações e óbitos, mas também para a retomada da economia”.

E, ainda, o caso de Serrana também pode servir para melhorar a imagem do Brasil internacionalmente no combate à pandemia, já que “a vacinação em massa pode fazer o País ter o nome diretamente associado a um combate eficaz da pandemia, ajudando na retomada do turismo, de exportações, na entrada de investimentos e na atração de pessoas capacitadas”.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.