Após 20 anos, sonda encerra missão espacial com “suicídio assistido”

João Steiner fala da produtiva vida de Cassini ao redor de Saturno, e sua destruição planejada e executada pela Nasa

 06/10/2017 - Publicado há 4 anos  Atualizado: 18/10/2017 as 14:25

A sonda Cassini, que entrou na órbita de Saturno em 2004 e continuou em operação até o último dia 15 de setembro, é o tema da coluna semanal do professor João Steiner. Para ele, a Cassini “foi uma nave espacial extraordinariamente produtiva”, tendo permanecido duas décadas orbitando e viajando por Saturno e por suas 62 luas, das quais sete foram descobertas pela sonda espacial. Entre as principais descobertas, Steiner destaca a de que a lua Titã, a segunda maior do sistema solar, tem chuva e oceanos – “só que a chuva é de metano e os oceanos são de petróleo”, revela.

Por fim, o colunista chama a atenção para o fato de a nave Cassini ter sido destruída por opção da Nasa. É que havia o risco de que pudesse contaminar, com bactérias terrestres, as luas de Saturno, uma vez que a sonda descobriu a existência de água em Titã e Encélado. Como consequência, a nave acabou sendo lançada contra o planeta, tendo sido completamente destruída.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.