Anvisa aprova proposta do uso da maconha para fins medicinais

O cultivo da planta no Brasil ainda continua irregular

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou recentemente duas propostas preliminares que podem liberar o cultivo da Cannabis sativa no País para fins medicinais e científicos, além da produção de medicamentos nacionais com base em derivados da substância. As propostas serão publicadas no Diário Oficial da União e submetidas a uma consulta pública. O médico João Paulo Lotufo diz que não existe o termo “maconha medicinal”, o que é válido é o canabidiol medicinal, que é uma substancia extraída da maconha. Diferente do que ocorre em outros países onde o produto pode ser cultivado, como Uruguai e Holanda, aqui no Brasil o cultivo poderá ser usado para o desenvolvimento de remédios, à base de óleo, em algumas doenças.  O RSHO é o primeiro produto à base de cannabis que já é importado legalmente no País. O assunto é o tema da coluna desta semana do Dr. Bartô e os Doutores da Saúde.


Dr. Bartô e os Doutores da Saúde
A coluna Dr. Bartô e os Doutores da Saúde, com o médico assistente do Hospital Universitário da USP João Paulo Lotufo, vai ao ar toda terça-feira às 10h00, na Rádio USP (São Paulo 93,7 FM; Ribeirão Preto 107,9 FM) e também no Youtube, com produção do Jornal da USP e TV USP.

.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  •  
  •  
  •  
  •  
  •