Anonimato na internet é legal, mas usuários devem ter cautela

Nas redes sociais de mensagens anônimas, sensação de impunidade nem sempre pode ser verdadeira

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Uma das últimas aquisições do Facebook foi a compra de um aplicativo de mensagens anônimas. A rede social To Be Honest tornou-se popular entre os adolescentes nos Estados Unidos e soma mais de 5 milhões de downloads. No Brasil, sites de anonimato como o Secret e o Sarahah já fizeram algum sucesso.

O pesquisador Lucas Lago, do Centro de Estudos Sociedade e Tecnologia (Cest) da USP, lembra que o anonimato na internet é permitido na legislação brasileira, mas a sensação de impunidade pode nem sempre ser verdadeira — ela vai depender do código em que o programa foi escrito. “O anonimato nunca é plenamente garantido quando se usa um aplicativo sem saber como ele foi feito, vale sempre a pena se resguardar um pouco”, diz.

Para o pesquisador, o crescimento do Facebook, uma empresa que oferece serviços gratuitos em troca de dados, também deve ser visto com cautela. Ele lembra que é sempre bom estarmos atentos aos termos de uso quando se trata dessas redes sociais. “É importante ter consciência de que tudo o que está sendo feito lá vai ser usado por alguém para ganhar dinheiro de alguma forma”, afirma.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  •  
  •  
  •  
  •  
  •