Ambientes secos, arejados e limpos são os grandes inimigos dos ácaros

Gilberto Moraes explica o que são esses animais, sua importância, os cuidados e as melhores formas de detê-los

 Publicado: 20/06/2022
Por
Os ácaros possuem quatro pares de patas e um par de quelíceras, órgão que serve como pinça para a obtenção de alimento – Foto: PxHere

Os ácaros são animais que medem menos de um milímetro, mas são muito importantes no nosso dia a dia. Apesar de microscópicos, esses organismos estão presentes em quase toda parte. E Alguns deles são responsáveis por problemas na agricultura e pela transmissão de doenças aos humanos.

O termo ácaro é utilizado para classificar milhares de espécies pertencentes à classe dos aracnídeos. O professor Gilberto Moraes, do Departamento de Entomologia e Acarologia da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq) da USP em Piracicaba, explicou ao Jornal da USP que, por isso, os ácaros são mais próximos das aranhas do que dos insetos.

Gilberto José de Moraes – Foto: Reprodução/Acarologia-Esalq

Eles possuem quatro pares de patas e um par de quelíceras, órgão que serve como pinça para a obtenção de alimento. Esses animais também não têm cabeça. “Eles têm uma região anterior, onde está a boca. O cérebro dele fica dentro do corpo”, diz Moraes. “Inclusive, o intestino deles passa pelo meio do cérebro, nós costumamos dizer que eles não podem comer muito senão terão dor de cabeça”, brinca o professor. 

Em relação aos hábitos alimentares, Moraes conta que grande parte dos ácaros são predadores e se alimentam de líquidos. Outras espécies não são predadoras e se alimentam de plantas. “Eles perfuram as células das plantas e retiram o conteúdo líquido delas”, conta. A maior parte dos inimigos dos ácaros é constituída de pequenos insetos ou mesmo de outros ácaros. 

Grande parte das espécies possui machos e fêmeas, “mas existem muitas que não têm macho, são só fêmeas que se reproduzem por partenogênese”, comenta o professor, ao explicar o processo em que não é necessária fecundação do óvulo. Outras espécies conseguem se reproduzir com ou sem a presença de machos. “Quando ele está ausente, todos os filhos são machos. Quando está presente, os filhos são machos e fêmeas, o que permite que a população se mantenha no ambiente.” 

Esses animais podem ser encontrados em diversos ambientes, como o solo e a superfície de plantas ou pelos. “E nós temos muitos ácaros em nós mesmos”, conta Moraes. “Eles vivem principalmente na face das pessoas”, explica. Além de não ser possível vê-los, normalmente esses animais não causam problemas, por isso não são percebidos. Mas existem casos em que eles são prejudiciais.

Ácaros na agricultura

Moraes conta que esses organismos costumam ser identificados pelos agricultores a partir de sua cor. “Muitos ácaros que atacam plantas são de um tom vermelho muito vivo. E eles chegam a populações bem altas, então o agricultor consegue ver aquela massa de pequenos organismos coloridos.” Essas infestações podem causar a descoloração e a morte de folhas, além da transmissão de doenças para as plantas. Morango, tomate, feijão, limão, laranja, sementes, grãos e farinhas são apenas alguns exemplos de vítimas dos ácaros agrícolas.

As infestações normalmente são controladas com produtos químicos e acaricidas. Entretanto, Moraes conta que o uso em excesso pode tornar os animais resistentes. “Um produto que hoje funciona muito bem pode deixar de funcionar.” Essa situação levou à adoção do controle biológico, em que predadores naturais são espalhados pela região para controlar os ácaros resistentes aos acaricidas. 

Segundo o professor, normalmente os ácaros agrícolas são controlados com outras espécies de ácaros predadores. “Aqui no Brasil nós temos laboratórios comerciais que produzem esses predadores e vendem para os agricultores, que podem deixar de usar produtos químicos.”

Ácaros, saúde e proteção

Outros ácaros têm importância médica. Eles podem provocar sarnas, causar reações alérgicas e transmitir vírus ou bactérias causadores de outras doenças. É o caso, por exemplo, de um dos ácaros mais famosos e importantes: o carrapato, transmissor do micro-organismo causador da febre maculosa. 

“A proporção de pessoas que se salvam quando adquirem essa doença é baixa”, alerta o professor. Ele explica que o carrapato é mais comum em regiões com grandes animais como cavalos, capivaras e porcos. “Tem que tomar muito cuidado e vistoriar o corpo periodicamente. Se a pessoa estiver com carrapato e sentindo sintomas de gripe, precisa ir ao médico e avisar a suspeita”, orienta o professor. 

Os ácaros mais comuns nos ambientes domésticos são mais associados a alergias e problemas respiratórios. Esses animais procriam em locais com muita umidade, poeira e restos de alimentos. Para evitá-los, Moraes recomenta que as pessoas mantenham os ambientes secos e arejados. “Basta abrir as portas, janelas e cortinas para entrar o sol, isso ajuda muito no controle dos ácaros.”

A limpeza também é muito importante. Travesseiros, colchões e cobertores e ambientes empoeirados são um prato cheio para os ácaros que se alimentam dos restos de pele e de alimentos. Por isso, é importante higienizá-los com frequência.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.