Além de projetos sociais, o autista precisa do empenho de toda sociedade para sua inclusão

Projeto desenvolvido pelo grupo Adapte Educação em conjunto com a Poli trabalha em prol da diversidade no ambiente de trabalho

 Publicado: 08/06/2022
O projeto começou a partir de uma parceria da Escola Politécnica da USP com a Prefeitura da cidade de Cajamar – Ilustração – Freepick – Fotomontagem: Jornal da USP

O CooTEA (Programa de Cooperação para Treinamento e Emprego de Autistas) colabora para promover a inclusão e a diversidade nas empresas. Iniciativa gratuita de formação profissional para autistas no mercado de trabalho, conta com a participação da Escola Politécnica da USP na gestão e qualificação profissional.

Eduardo Mancebo – Foto: LinkedIn

O professor Eduardo Mancebo, formado pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP e especialista em tecnologias inclusivas há 20 anos, e Emanuel Santana, da Adapte Educação, plataforma de formação especializada para terapia, ensino e inclusão de autistas, discutem sobre o projeto em entrevista ao Jornal da USP no Ar 1ª Edição

O projeto começou a partir de uma parceria da Escola Politécnica da USP com a Prefeitura da cidade de Cajamar. O trabalho visava à qualificação dos profissionais envolvidos no atendimento do autismo nas áreas de saúde e educação. Um dos pontos de sucesso do programa foi a atuação da empresa Adapte e como desdobramento dessa ação surgiu o convite de uma nova iniciativa relacionada ao empreendedorismo social, o CooTEA.

Emanuel Santana -Foto: LinkedIn

O representante da Adapte, Emanuel Santana, fala sobre a importância do novo projeto e comenta que a empresa já tinha programas de treinamento para profissionais da área da saúde e educação, além de atividades para pais e professores, mas nunca tinha falado diretamente com o autista. “Nós tínhamos uma dor na Adapte de nunca ter se comunicado diretamente com eles”, relata.

Santana detalha as três bandeiras da empresa: “A primeira bandeira é a antecipação de diagnóstico, porque o diagnóstico precoce do autismo aproveita uma janela de oportunidade importante por conta da neuroplasticidade do cérebro. [A segunda é] a popularização de terapia de qualidade, que é treinar e popularizar essa terapia baseada em evidência para intervenção, e a nossa terceira bandeira é a inclusão do autista no ambiente escolar e no mercado de trabalho”.

Inclusão e acompanhamento

Junho é o mês do orgulho autista. “Daqui a dez dias, 18 de junho, vai ser o Dia do Orgulho Autista e precisamos dar voz para eles. Não é um dia que precisamos falar pelos autistas, nós temos que dar voz para que eles falem sobre o transtorno do espectro autista”, afirma o membro da Adapte.

Além dos projetos sociais, é necessário o empenho de toda a sociedade para assegurar a inclusão dessas pessoas. Santana atesta: “Isso não depende somente da oferta de intervenções terapêuticas baseadas em evidência, mas também no esforço da sociedade para aceitar, incluir e conviver com esses indivíduos com respeito e dignidade”.

Um aspecto importante sobre o CooTEA é o acompanhamento –  Ilustração: Adapte

Um aspecto importante sobre o CooTEA é o acompanhamento. “Nós treinamos e já colocamos nas empresas, acompanhamos essa parte de estágio supervisionando, ou seja, uma espécie de emprego apoiado. As empresas também são treinadas para receber esse público e eles são supervisionados durante esse período. Iremos acompanhá-los durante seis meses em ambiente de trabalho, simultaneamente com treinamento e capacitação”, comenta o representante do projeto.

A pandemia foi um divisor de águas. Mancebo descreve: “Isso trouxe luz à questão do atendimento presencial versus o atendimento on-line. Temos uma demanda grande reprimida, com muito potencial dos meninos nessa possibilidade de trabalho. Mas, assim como qualquer outra vaga de trabalho, o mundo corporativo tem regras, tem códigos e, para os autistas, tipicamente é muito mais difícil de compreender. É necessário todo um trabalho prévio de inclusão, tanto na parceria com a empresa quanto na preparação dos próprios autistas para compreender o melhor possível as regras, porque, na maior parte das vezes, eles têm um potencial muito grande no desenvolvimento do trabalho”.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.