Água, um bem inestimável que precisa ser preservado

Limpeza, reúso e várias outras técnicas podem contribuir para manter a qualidade e a quantidade da água

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Instituído pela ONU e comemorado no dia 22 de março, o Dia Mundial da Água foi o tema do Diálogos na USP desta semana. Trataram do assunto os professores Luis Antônio Bittar Venturi, do Departamento de Geografia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP, e José Galízia Tundizi, da Escola de Engenharia de São Carlos da USP e membro do IEA – Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo.

A água é um tema em constante discussão. Sua qualidade, quantidade, origem, poluição, diversas maneiras de uso e reúso estão sempre em pauta.

Quase três quartos da superfície da Terra são cobertos por água, mas somente uma pequena fração disponível sobre a superfície dos continentes contém poucos sais dissolvidos: a água doce disponível para consumo direto.

Luis Antônio Bittar Venturi no programa Diálogos, da Rádio USP – Foto: Cecília Bastos/USP Imagens

.
O Estado de São Paulo passou por uma severa crise hídrica em 2014 e 2015. Alguns acreditavam que seria difícil que as represas retomassem sua normalidade, mas, para o professor Venturi, nunca haverá falta de água.

Segundo o professor “a água é o recurso mais abundante do planeta. Então, devido às quantidades existentes, não dá para conceber que ela acabaria”. A explicação do professor para essa afirmação é pelo fato de a água doce vir também dos oceanos. “Mesmo se considerar só a água doce, ela vem basicamente dos oceanos, via evaporação e precipitação. Então, nosso maior reservatório de água doce são os oceanos.” Ele ainda citou que não existe água brotando da Terra.

O professor José Galízia Tundizi cita que a questão da água tem dois aspectos fundamentais: “Um é todo esse complexo de gestão, tecnologia e desenvolvimento”, em que, na opinião dele, é preciso avançar muito. “Não é só o tratamento, são novas tecnologias, coleta da água de chuva, reúso de água”. O professor Tundizi lembrou que “Palestina e Jordânia são os únicos países que têm certificação para reúso de água, o Brasil ainda não tem isso”.

Esta edição do Diálogos na USP teve apresentação de Roberto Castro, produção do Departamento de Jornalismo da Rádio USP e trabalhos técnicos de Bene Ribeiro.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Textos relacionados