Afetos são determinantes tanto no voto eleitoral como no protesto

Alessandro Soares esclarece que para psicologia política não há dicotomia entre razão e emoção e sim disputa de perspectivas

jorusp

Líderes populistas estão em ascensão em todo mundo. Donald Trump, Viktor Orbán, Rodrigo Duterte e Jair Bolsonaro são exemplos. Todos são figuras caracterizadas por um discurso marcante e de grande peso simbólico. O professor Alessandro Soares, da Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH) da USP, explica que políticos utilizam estratégias para impulsionar determinadas emocionalidades que se supõem irracionais.

Na realidade, não há dicotomia entre razão e emoção, esclarece ele. “São discursos e disputas de determinadas perspectivas de mundo e realidade”, pontua ao Jornal da USP no Ar. Visto esse cenário, a psicologia política ganha relevância na Academia. Soares aponta os afetos como um elemento permanente na tomada de decisão. Um voto eleitoral representa vínculos de confiança e simpatia. “Uma economia com problemas entra em depressão”, assinala.

Arte sobre fotos / Senado Federal – Visualhunt-CC

Já as revoltas espalhadas pelo mundo, como as do Chile, significam um descontentamento ou uma desilusão com gestores, políticos, condições e o próprio sistema atual. Mesmo o risco de perder o olho, ou a própria vida, em conflito com a institucionalidade representada pela polícia, fica menor frente à possibilidade de mudança, de vislumbre de um futuro melhor, de acordo com o professor.

Soares organiza o VIII Encontro Paulista de Psicologia Política – Emoções e Política: liberdade, democracia e garantia de direitos, que ocorre de quarta-feira (4) até sexta-feira (6). Ele conta que esse campo da ciência surgiu em 1860, mas não ganhou a notoriedade de seus pares, como a antropologia e a psicologia social. No entanto, desde os anos 90 a disciplina cresce no Brasil e nos anos 2000 ganhou a Associação Brasileira de Psicologia Política. O evento contará com simpósios, conferências, lançamentos de livros e teatro. O organizador convida todos para o evento gratuito. O local é a EACH, acessível pela linha 12 da CPTM.

Ouça a entrevista na íntegra no player acima.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP, Faculdade de Medicina e Instituto de Estudos Avançados. Busca aprofundar temas da atualidade de maior repercussão, além de apresentar pesquisas, grupos de estudos e especialistas da Universidade de São Paulo.
No ar de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.
Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular.

.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.