Afastamento de Fachin da relatoria da Lava Jato enfraqueceria a operação

A opinião é do cientista político André Singer em sua coluna semanal para a Rádio USP

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

No Supremo Tribunal Federal está ocorrendo o julgamento que envolve a delação da JBS. Em pauta, a distribuição da relatoria do caso para o ministro Edson Fachin e os termos do acordo dessa delação. Para o cientista político André Singer, o STF deve sustentar a posição do ministro Fachin, apoiando-o no sentido de que continue com a relatoria do caso, e mais, que as homologações da delação premiada não precisem passar pelo plenário.

“Claro que precisamos estar conscientes de que podem haver surpresas, como acabou ocorrendo no julgamento da chapa Dilma/Temer pelo TSE.”  No entanto,  uma posição que não seja favorável ao ministro Fachin poderia enfraquecer a Lava Jato, na opinião de Singer. Ele observa ainda que estão em jogo os procedimentos da Lava Jato, no que têm de bom e de ruim. Ainda no entender do colunista, nesse caso específico, a maioria do STF deve acompanhar o ministro Fachin. Consequentemente, os desdobramentos que envolvem a delação da JBS devem continuar assombrando o presidente Michel Temer, cuja posição continua extremamente delicada à frente do governo.

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Textos relacionados