Possível abolição do sistema de contagem de idade na Coreia do Sul revela cultura da juventude

A opinião é de Yun Jung Im Park, para quem a promessa de governo de tornar os coreanos dois anos mais novos é uma forma de agradar o eleitorado jovem

 19/05/2022 - Publicado há 1 mês  Atualizado: 26/05/2022 as 13:30
Por
Na sociedade ocidentalizada e modernizada, existe um culto à juventude e os idosos são relegados a um segundo plano – Fotos: Freepik e Wikimedia Commons

Os sul-coreanos possuem um sistema próprio de contagem de idade que difere da maior parte do mundo. Uma pessoa sul-coreana é considerada dois anos mais velha que uma pessoa de outro país que nasceu no mesmo ano. Mas o presidente sul-coreano recém-eleito, Yoon Suk-yeol, tem como promessa de governo abolir o sistema da “idade coreana” para padronizar a contagem e alinhar a Coreia do Sul com o resto do mundo.   

Como a idade é contada na Coreia

Na maioria dos países, os bebês nascem com 0 ano e, conforme os meses passam, ficam mais perto de completar 1 ano de idade. Na Coreia do Sul, eles “já nascem” com 1 ano e, na passagem do dia 31 de dezembro para o dia 1º de janeiro, todos os coreanos “completam” mais um ano de vida, independentemente do mês em que nasceram.

Yun Jung Im Park – Foto: Arquivo pessoal

A professora do curso de Coreano da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP, Yun Jung Im Park, explica que esse tipo de contagem era utilizado também em outros países da Ásia, pois em cada região se usava um calendário diferente e isso comprometia a contagem: “Era muito mais fácil estabelecer uma data de referência do que contar 360 dias ou 365 dias, dependendo do calendário”. 

Por que mudar?

 O chefe do comitê de transição do presidente, Lee Yong-ho, afirmou, em entrevista à BBC, que a diferença de cálculo da idade coreana com a internacional já resultou em confusões e “custos socioeconômicos desnecessários”. Uma das confusões foi que, durante a pandemia de covid-19, algumas autoridades de saúde usaram de forma aleatória a idade internacional e a coreana ao definir a faixa etária para aplicação de vacinas. 

A professora Yun revela que o país usa as diferentes contagens de acordo com o assunto. A Coreia do Sul adotou o sistema internacional de contagem de idade em 1962, para tratar de alguns processos administrativos e legais. Mas o método coreano ainda é utilizado em outros casos, como o alistamento militar. 

Outra questão é o sentimento de injustiça que os nascidos em dezembro podem sentir ao se tornarem mais velhos assim quando vira o ano. Yun explica que isso é um sinal de ocidentalização da mentalidade coreana e da cultura da juventude: “Em uma sociedade moderna, ocidentalizada e individualista, você vai se sentir injustiçado caso seu aniversário seja no dia 31 de dezembro. Porque, se você nasce no dia 31 de dezembro, você nasce com um ano e um dia depois você vai estar com dois anos”.  

Ela complementa: 

“Em uma sociedade tradicional e antiga, uma pessoa de mais idade é respeitada, admirada, consultada. E na sociedade ocidentalizada e modernizada, existe esse culto à juventude e os idosos são relegados a um segundo plano. Você tem essas duas coisas acontecendo ao mesmo tempo”. 

Nesse sentido, a professora diz que a sugestão do presidente em abolir o sistema coreano de contagem pode ser uma tentativa de agradar os jovens que estão perto de completar 30 anos.  

Jang Yoo-seung, pesquisador do Centro de Pesquisas em Estudos Orientais da Universidade Dankook, falando à BBC, disse que a sociedade coreana não parece estar muito preocupada em abandonar a tradição. Ele questiona: “Estaríamos correndo o risco de abandonar nossa singularidade e cultura e tornar-nos mais monótonos?”. Yun, apesar de enxergar que é difícil imaginar as projeções futuras disso na prática, acha que não terá grandes problemas para os sul-coreanos se adaptarem à mudança: “O mundo inteiro está usando o sistema ocidental. E, como isso abaixa a idade em um ou até dois anos, eu acho que todo mundo, em uma sociedade da cultura da juventude como a de hoje, vai gostar”.  


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.