A tribalização dos fãs de Rock

Rivalidades entre gangues de motoqueiros contribuíram com início das tribos do rock

Nesta edição do programa História do Rock, o professor Mario De Vivo fala sobre as tribos do rock, que se formaram e ainda se formam dentro do gênero. As tribos nada mais são do que grupos de pessoas, que não necessariamente residem no mesmo local ou falam a mesma língua, mas que compartilham os gostos e valores de algo.

Se tratando do rock, o professor De Vivo fala que “é difícil dizer quando começou o fenômeno da tribalização, mas existem algumas informações que indicam dois grandes grupos na Inglaterra de 1960, sendo esses grupos de motoqueiros e de lambretas”.

Esses, entre outros grupos, acabaram levando sua rivalidade para o rock por acaso, “já que refletiam muito mais a cultura de gangues, existentes na Inglaterra desde os anos 1950”. Ainda, segundo De Vivo, era presente a diferenciação entre fãs de bandas, “com debates sobre quem era o melhor vocalista, guitarrista, baixista”, discussões que se tornavam até notícias de jornal.

“Os grandes responsáveis pela polarização dos gostos musicais são os artistas”, diz o professor. Quando uma banda surge com uma determinada sonoridade, afirma o professor, “os fãs se reconhecem nela, e esperam que ela se mantenha, para que continuem com o sentimento de pertencimento e valorização, tanto pelo gosto musical quanto pelo grupo em que se insere.”

Ouça no link acima a íntegra do programa História do Rock.

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.