A tecnologia no sexo e a expansão dos horizontes

A evolução das máquinas para o uso sexual está cada vez mais responsiva, o que tem feito as pessoas substituírem seus companheiros ou companheiras

Nesta edição, o professor Luli Radfahrer fala sobre sexo com robôs. O professor ressalta que alguns dos brinquedos sexuais dos adultos são máquinas, como, por exemplo, o vibrador. A diferença é que atualmente estamos evoluindo para máquinas com corpo de adulto e que estão cada vez mais responsivos.

Para Radfahrer, a melhor forma é usar a tecnologia para expansão do horizonte, e não para substituir alguém. “Ao se usar uma máquina para expandir a compreensão do seu próprio corpo e do corpo da pessoa com quem se está, podemos dizer ser uma boa notícia, já quando se usa para substituir o outro, aí a notícia não é tão boa”, analisa.

Ouça no player acima a íntegra da coluna Datacracia.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.