A tecnologia da radiação vai muito além da produção de energia

Corte de verba pode afetar desenvolvimento de tecnologias nucleares, impactando áreas importantes para o País

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn3Print this pageEmail

O contingenciamento de verba de diversas áreas da ciência no Brasil tem impactos grandes na pesquisa nacional. Quando o assunto envolve radioatividade então, os riscos são muito altos, como atesta o acidente com o césio-137 de equipamentos hospitalares, na cidade de Goiânia, em setembro de 1987.

O professor associado do Instituto de Física da USP, Airton Deppman, explica que, desde o ocorrido, o controle de material radioativo aumentou bastante, porém, com o desenvolvimento da medicina nuclear, cada vez mais clínicas e hospitais utilizam a radiação. Por isso, o especialista teme que os cortes orçamentários encolham o contingente de pessoas envolvidas nesses procedimentos e prejudiquem a formação dos profissionais da área.

Um dos grandes desafios do Brasil quanto à radiação, aponta Deppman, é o destino que a grande quantidade de resíduo das usinas nucleares de Angra dos Reis terá. O professor também destaca que a produção de isótopos radioativos é uma tendência não só na área médica e energética, mas também na indústria e na agricultura. Portanto, argumenta o pesquisador, o corte do orçamento acaba impactando vários setores importantes.

O Jornal da USP, uma parceria do Instituto de Estudos Avançados, Faculdade de Medicina e Rádio USP, busca aprofundar temas nacionais e internacionais de maior repercussão e é veiculado de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.

Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular.  

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn3Print this pageEmail

Textos relacionados