Significado real do número de citações de um artigo científico

Tibor Rabóczkay é professor titular aposentado do Instituto de Química (IQ-USP)

Por - Editorias: Artigos - URL Curta: jornal.usp.br/?p=260820
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Tibor Rabóczkay – Foto: Cecília Bastos / USP Imagens

A cientometria procura medir o impacto de artigos científicos, jornais científicos, institutos de pesquisa e pesquisadores. Para isso recorre a indicadores de produção, que supõe serem significativos. Entre esses, a contagem da quantidade de artigos (papers, como os cientistas gostam de chamar). São critérios importantes para a alocação de verbas. Desses indicadores examinaremos, no presente, o número de citações.

O número de citações pode ter algum papel válido na história da ciência, quando estamos interessados em ver a influência consolidada de um determinado cientista ou instituição no progresso do conhecimento científico no decorrer dos tempos. Ao ser aplicado aos tempos recentes ou o presente, porém, a contagem não só perde significado, mas representa grave ameaça ao progresso científico, como mostramos a seguir.

Primeiro. A busca por maior número de citações obriga o cientista a trabalhar em assuntos da moda, independentemente da importância prática ou científica de tais assuntos. Com temas em voga, aumenta a chance do paper ser citado. Essa atitude, porém, prejudica as outras exigências às quais o pesquisador é submetido – a criatividade e a inovação. Assuntos fora das linhas de pesquisa já testadas e em andamento envolvem o risco de insucesso. Isso prejudica o número de papers produzidos e, consequentemente, afeta a carreira do cientista, além de lhe trazer dificuldades para obter as verbas necessárias para prosseguir em suas pesquisas. Correrá também o perigo de perder o emprego ou o regime de trabalho. Lembremo-nos de que já ocorreu de os burocratas e órgãos da imprensa considerarem improdutivos aqueles docentes-pesquisadores universitários que no decorrer de determinado intervalo de tempo, aparentemente, “só” davam aulas. Então, pode parecer prudente deixar as incertezas da inovação e da criatividade real de lado.

Segundo. As áreas de investigação científica, independentemente de sua importância teórica ou prática, têm número de pesquisadores muito diferentes, fato que afeta o número de citações. A simples comparação de citações, portanto, sem levar em conta o número de profissionais atuantes na área, não tem significado.

Terceiro. Muitas vezes a citação é apenas uma formalidade e não reflete mérito. É praxe fazer uma introdução ao paper enumerando – com a indicação da origem – o que já foi feito no assunto até para posicionar a contribuição e a originalidade dos autores. A contribuição histórica, eventualmente, pode receber algum comentário, porém, frequentemente, se reduz a um ato quase contábil.

Quarto. Um paper que apresente um erro pode receber um grande número de citações, pois dificilmente os cientistas da área resistiriam a apontar o erro.

Quinto. Como julgar o mérito de um artigo científico que recebeu apenas uma ou duas citações por ano – mas durante mais de 50 anos? Como comparar a “validade” do trabalho no tempo, com o número de citações? Vale a pena manter o autor nos quadros da universidade? As citações podem não se distribuir uniformemente no tempo. Por exemplo, um artigo tendo por assunto o isolamento do vírus zika, publicado em 1952, pouco citado após a publicação, conta com 23 citações entre 1971 e 2014, e 1.040 nos últimos quatro anos, num total de 1.086 citações até a escrita do presente comentário. O autor possivelmente teria perdido seu emprego, ou seu regime de trabalho, se prevalecessem os critérios burocráticos e ilusionistas.

Sexto. Um artigo submetido a publicação, normalmente, é enviado para um assessor que trabalhe na mesma área. Embora anônimo – teoricamente – sabe-se que não poucas vezes o assessor tenha condicionado o aceite à citação de seus próprios papers. Sugestão geralmente aceita diante da garantia de publicação.

Sétimo. Deve-se mencionar, ainda, os grupos de ajuda recíproca em se citarem. Ou o caso oposto, das omissões entre grupos ou cientistas rivais. Não é fácil detectar artifícios ou uma omissão para os avaliadores. Esses casos só serão percebidos por alguém que necessite consultar em detalhes a matéria citada.

Conclusão: o uso do número de citações para avaliar a importância de um artigo científico – fora do âmbito histórico – não é adequado, pois a única coisa que o número de citações mede com segurança é o número de citações – o resto é fantasia.

 

 

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  •  
  •  
  •  
  •  
  •