Tem saída

Por Eva Alterman Blay, professora da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP

 Publicado: 23/09/2022

“A vida decide e impõe às mulheres certos caminhos. Podemos ou não nos rebelar, mas no fim acabamos cumprindo as obrigações que o destino nos reservou.” Como se nota, a linguagem que usei na frase anterior é absolutamente autoritária, messiânica, religiosa e machista. Mas, queiramos ou não, a maioria de nós mulheres acabamos cumprindo o que Helena Hirata descreve como “o cuidado”: cuidamos da casa, dos filhos, do marido, do amante, dos namorados, dos velhos, dos doentes, dos e das amigas, e raramente de nós mesmas.

Mas, infelizmente, apesar de cuidar dos companheiros, é frequente que em troca recebam agressões, violências físicas e psicológicas, e como temos visto chega-se ao feminicídio. Há décadas que os movimentos feministas têm alertado que a violência se dá num processo, procuraram desmistificar as falsas juras de amor e arrependimento do companheiro violento, indicando sobretudo às jovens que não aceitem nenhum tipo de violência. Iludidas por desculpas interpretam formas de dominação como amor. Não demora muito para que enredadas com filhos, sem recursos financeiros, se afastam das famílias de origem e mesmo de amigas, sentem-se envergonhadas como se elas é que fossem culpadas pelas violências. Quando uma mulher entra num quadro de desesperança e reclusão, ela perde vínculos sociais e com frequência se esfacela sua autoestima. Quase nada lhe resta. Será mesmo?

Inconformadas com esse desalento grupos de mulheres das mais variadas profissões desenvolveram alternativas para romper o isolamento e criar alternativas emocionais, psicológicas e sobretudo econômicas. Foi surpreendente o cenário que presenciei durante o 16º Encontro do FBSP (Fórum Brasileiro de Segurança Pública). Durante dois dias foram apresentadas múltiplas ações geradas por pessoas de organismos oficiais ou da sociedade civil: mulheres da Polícia Civil de Minas, da Guarda municipal de Campinas (Estado de São Paulo), do Ministério Público do Acre e de São Paulo, agentes da Polícia Militar da Paraíba, da Polícia Civil de São Paulo. Essas agentes, além de atender os conflitos, evitando feminicídios, criaram soluções usando recursos locais, parcos na maioria das vezes. Desse modo conseguiram impulsionar mulheres, famílias, jovens e até crianças criando alternativas para melhorar as condições de vida da população local. Essas profissionais se somaram às ações do Me Too, do Instituto Liberta, aos dados fundamentais do Instituto Patrícia Galvão.

Um novo capítulo se inaugurou com a articulação entre organizações da sociedade civil e empresas “amigas das mulheres” como Avon, Uber, e o próprio FBSP. Em alguns casos realizaram ações micro do ponto de vista econômico, mas de imenso significado para mulheres e famílias que não tinham nenhuma alternativa. Cito uma das alternativas da Rede Mulheres Empreendedoras, apoiadas com recursos financeiros de algumas empresas, a Rede pode, por exemplo, dar a fundo perdido, uma pequena importância a uma mulher permitindo-lhe comprar uma máquina de costura. É aí que a porta se abre, e a mulher encontra uma saída. Com a máquina vai poder ganhar algum recurso, sai do isolamento, encontra apoio, rompe-se o isolamento. São múltiplas pequenas ações que no conjunto se expandem. Indiscutível que é pouco, mas considerando que foi destruído o Ministério da Mulher, cortados os recursos para as delegacias de defesa da mulher, para a Casa da Mulher, ausência de casas abrigo e até reduzidíssimo as verbas para o telefone 180 (que socorre as mulheres e crianças) certamente as pequenas ações são valiosas. Nessa terra arrasada essas pequenas ações mostram que há uma saída. Vivemos um momento de reconstrução das políticas públicas e elas podem começar articulando essas iniciativas.

P.S.: Tem Saída é o nome dado a uma importante iniciativa da Prefeitura de São Paulo somada a outras entidades.
P.S.2.: Mais uma vez agradeço à generosa leitura de Albertina Costa.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.