USP retoma projeto para curso de engenharia no campus da zona leste

Iniciativa de instalar a Poli no campus está sendo retomada por lideranças, professores e alunos

Por - Editorias: Universidade
Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail
EACH - Foto: Marcos Santos/USP Imagens
Campus da USP na zona leste apresenta forte interação com as comunidades do entorno – Foto: Marcos Santos/USP Imagens

.
No final de agosto, a Escola Politécnica (Poli) da USP apresentou a representantes da Assembleia Legislativa de São Paulo, da Câmara dos Deputados e do Senado o projeto de retorno ao campus USP Leste.

Por causa da interdição do local em 2014, o curso de Engenharia da Computação que seria oferecido lá foi transferido para a Cidade Universitária. Após a reabertura do campus, porém, a turma permaneceu na Poli. O curso foi fechado para ingresso nos anos posteriores e suas vagas, redistribuídas para outras carreiras.

Objetivo da Poli é instalar o curso de engenharia com ensino por projetos - Foto: Divulgação/Poli-USP
Objetivo da Poli é instalar o curso de Engenharia com ensino por projetos – Foto: Divulgação/Poli-USP

A atual proposta é que a Poli seja um centro de formação, articulando a graduação com cursos de especialização e atualização para quem já tem uma profissão, e também com um curso preparatório para alunos do ensino médio para ingresso no curso de Engenharia. A ideia envolve também a instalação de um curso de Engenharia de Produção com duas ênfases: questões urbanas e computação.

A apresentação aos parlamentares foi feita pelo grupo de trabalho que desenvolve a proposta pedagógica do projeto em busca de engajamento político e apoio na forma de emendas para financiamento do projeto.

Os representantes legislativos sugeriram uma proposta de emenda parlamentar coletiva na Assembleia para assegurar recursos do orçamento do Estado para o projeto.

O curso investirá no ensino por projetos. Começará com as ciências básicas da Engenharia e a ênfase em cidades ou computação seria selecionada posteriormente pelo aluno. Haverá também, segundo a proposta, um período para atividades extraclasse, que podem ser desenvolvidas em laboratórios ou como atividades de campo e/ou de projeto.

O projeto também prevê o estabelecimento de parcerias entre a Poli e empresas da zona leste, de Guarulhos e do ABC para a oferta de estágios e com entidades, como Fatecs e Senai, no apoio às atividades de ensino de graduação, de formação ou aperfeiçoamento profissional e cursinho pré-vestibular.

O diretor da Poli, professor José Roberto Castilho Piqueira, que participou da reunião, destacou a intenção de colaborar com o desenvolvimento da região. “Queremos trabalhar para valer na zona leste, porque vemos aqui uma oportunidade de desenvolvimento social e econômico muito grande”, afirma.

Com informações da Assessoria de Imprensa da Poli

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Textos relacionados