Paulo Artaxo é o novo presidente de programa de pesquisa na Amazônia

Professor do Instituto de Física é considerado um dos pioneiros de iniciativa que estuda as interações entre a floresta amazônica e as condições atmosféricas e climáticas

Por - Editorias: Universidade
Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

O comitê científico do Programa de Grande Escala Biosfera-Atmosfera na Amazônia (LBA) elegeu como presidente o pesquisador Paulo Artaxo em reunião realizada no Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa).

10.06 Torre Alta da Amazônia
Com 325 metros de altura, Torre Alta é “laboratório único” para estudar ciclo de carbono na Amazônia – Foto: Ascom/MCTIC

Professor do Instituto de Física da Universidade de São Paulo (USP) e vencedor da edição 2016 do Prêmio Almirante Álvaro Alberto para Ciência e Tecnologia, Artaxo é considerado um  dos pioneiros do LBA, iniciativa que estuda as interações entre a floresta amazônica e as condições atmosféricas e climáticas.

“O LBA é estratégico para o Brasil, pois precisamos entender melhor como funciona naturalmente o ecossistema amazônico e como o homem está alterando o funcionamento básico da Amazônia”, afirma Artaxo. “É estratégico, não só para o Inpa, mas também para o MCTIC, e esperamos dinamizá-lo e ampliá-lo, para que possa atingir melhor seus objetivos, no sentido de integrar a ciência amazônica na ciência brasileira e aumentar ao máximo possível o volume de recursos investidos.”

O pesquisador define a Amazônia como “um laboratório com potencial extraordinariamente grande de novas descobertas” e acrescenta que o LBA vem desvendando questões fundamentais dos meios tropicais, “tais como a interface floresta-clima, passando por todas as suas vertentes, da química atmosférica à formação de nuvens e à precipitação ao ciclo de carbono”.

Artaxo enfatiza a queda no ritmo de perda de floresta desde a criação do Plano de Ação para Prevenção e Controle do Desmatamento na Amazônia Legal, em 2004, que “fez do Brasil exemplo único na redução de emissões de gases de efeito estufa”. Mas, segundo ele, ainda há muita ciência a ser feita.

“Precisamos reduzir a taxa de desmatamento dos valores atuais de cinco mil quilômetros quadrados por ano para valores próximos de zero”, adverte. “O LBA realiza a ciência necessária para atingirmos esta meta tão importante ao país.”

Na visão do pesquisador, ainda existem “áreas absolutamente não estudadas até hoje” na Amazônia. Ele espera que o LBA introduza no biênio de 2016 a 2017 projetos que ampliem a agenda científica do programa, não só com temas novos, mas também com mais pesquisadores e mais instituições da região, integrando núcleos do Inpa, outros institutos e universidades.

Torre Atto

Atualmente, integram o programa o Observatório de Torre Alta da Amazônia (Atto), fruto de cooperação entre o Inpa e o Instituto Max Planck de Química, da Alemanha; e o Experimento da Próxima Geração sobre Ecossistemas Tropicais (NGEE-Tropics), em parceria com institutos, laboratórios e universidades do Brasil e dos Estados Unidos.

“A Torre Atto, com 325 metros de altura, é um laboratório único em uma região tropical do nosso planeta e permitirá que, ao longo das próximas décadas, possamos acompanhar os processos que controlam o ciclo de carbono na floresta amazônica, em um cenário de aumento de temperatura e de eventos climáticos extremos”, avalia o pesquisador.

Iniciativa de cooperação internacional, o LBA é gerenciado desde o início, em 1998, pelo MCTIC. O Inpa começou a coordenar o programa em 2010. O comitê científico atual possui dez membros; cinco de Manaus, dois de outros estados da Amazônia e três de outras regiões do país; e se reúne duas vezes por ano, a fim de avaliar com regularidade o desenvolvimento dos projetos.

Da Assessoria de Comunicação do Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações – MCTIC

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Textos relacionados