Morre professora da USP que criou primeiro anestésico brasileiro

Maria dos Prazeres Barbalho Simonetti desenvolveu a simocaína, anestésico local com menos efeitos colaterais

Por - Editorias: Universidade
Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail
A professora aposentada da USP Maria dos Prazeres Barbalho Simonetti, em 2012 – Foto: Francisco Emolo / Jornal da USP

Foi velada nesta segunda-feira (30), em São Paulo, Maria dos Prazeres Barbalho Simonetti, professora aposentada do Instituto de Ciências Biomédicas (ICB) da USP. A pesquisadora desenvolveu o primeiro anestésico brasileiro, batizado de simocaína, em alusão ao seu sobrenome.

Docente do Departamento de Farmacologia, de 1971 a 2004, Maria dos Prazeres se formou em Medicina e escolheu a anestesia como especialização. Mestre e doutora pela USP, fez pós-doutorado na Universidade de Harvard.

Ao Jornal da USP, em 2002, relatou que a simocaína é resultado de uma ideia aparentemente simples, mas que até então ninguém tinha pensado. Os anestésicos são formados por dois tipos de substâncias e ambas têm como função bloquear os impulsos que provocam a sensação de dor. No entanto, uma delas, apesar de muito eficiente, causa efeitos colaterais e por isso é considerada “ruim”. A solução encontrada pela pesquisadora foi colocar 75% da parte boa e 25% da ruim.

No final de 2001, a USP e a empresa Cristália fecharam um acordo para a comercialização do produto, lançado com o nome de Novabupi.

 

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Textos relacionados