Morre professor Marco Segre, da Faculdade de Medicina da USP

Um dos grandes nomes da Bioética brasileira, era Professor Emérito do Departamento de Medicina Legal, Ética Médica e Medicina Social e do Trabalho

Por - Editorias: Universidade
Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Marco Segre, um dos grandes nomes da Bioética brasileira, faleceu, no dia 19 de julho, na cidade de São Paulo, aos 82 anos. Formado pela Faculdade de Medicina da USP (FMUSP) e médico-sanitarista pela Faculdade de Saúde Pública (FSP) da USP, era Professor Emérito do Departamento de Medicina Legal, Ética Médica e Medicina Social e do Trabalho da FMUSP, local em que coordenou o Programa de Pós-Graduação em Ciências (Medicina Legal).

Em 1995, foi um dos fundadores da Sociedade Brasileira de Bioética (SBB), entidade na qual também ocupou o cargo de presidente. Dedicou-se à ética médica ao atuar no Conselho Regional de Medicina de São Paulo (Cremesp), entidade da qual participou como conselheiro entre 1993 e 2003, sendo vice-presidente, além de diretor do Departamento Jurídico.

Foi autor de vários artigos sobre Bioética – entre os quais: Considerações sobre Crença, Religiosidade e Religião; Ensino da Bioética lato sensu e Quem tem medo das (bio)tecnologias de Reprodução Assistida (com o professor Roland Schramm) – e livros, como Iniciação à Bioética, do Conselho Federal de Medicina (CFM), em 1998, e Bioética (Edusp), organizado ao lado do também professor de Bioética da USP, Cláudio Cohen, pelo qual ganhou o Prêmio Jabuti de Literatura de 1996, na categoria Ciências Sociais e Medicina.

Foi laureado ainda com medalha por serviços prestados ao Trabalhador Brasileiro, Universidade de São Paulo/USP e Prêmio Oscar Freire de Medicina Legal, entre outros.

 

Com informações da Sociedade Brasileira de Bioética

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Textos relacionados