Faculdade de Medicina da USP discute mudanças e melhorias para 2020

O Projeto FMUSP 2020 prevê chegar ao centenário da faculdade com excelência no ensino, pesquisa, assistência e extensão universitária articulando seis eixos estratégicos

Por - Editorias: Universidade
Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail
Conferência de Busca do Futuro aponta seis grandes focos de atuação para a FMUSP até 2020 - Foto: Divulgação/FMUSP 2020
Conferência Busca do Futuro aponta seis grandes focos de atuação para a FMUSP até 2020 – Foto: Divulgação/FMUSP 2020

“Continuar fazendo o mesmo ou quebrar os paradigmas?” Com esse questionamento, a Faculdade de Medicina da USP (FMUSP) desenvolve, desde 2010, o projeto FMUSP 2020, uma proposta institucional que busca melhorar e integrar processos, profissionais e iniciativas voltadas ao ensino, pesquisa, assistência e extensão. O intuito da faculdade, que está entre as melhores do mundo na área, é olhar para o ano de 2020, quando a unidade celebra o centenário de lançamento da pedra fundamental de sua sede, localizada na avenida que leva o nome de seu fundador, Arnaldo Vieira de Carvalho.

Em maio, cinco anos após o início do projeto, pesquisadores, profissionais, estudantes e representantes de associações, conselhos e instituições externas se reuniram na conferência Busca do Futuro para refletir sobre o cenário atual e o futuro do Sistema FMUSP-Hospital das Clínicas (HC). Durante a conferência, os participantes reavaliaram todo o processo e definiram prioridades em torno de seis eixos temáticos: sustentabilidade, integração, humanização, internacionalização, inovação tecnológica e excelência no ensino.

“Essa reunião determinou que cada um dos líderes tenha uma tarefa específica, apresentando relatórios periódicos, mostrando que tipo de ações práticas está tomando e como isso vai capilarizar todo o sistema”, relata o vice-diretor da FMUSP, professor Tarcísio Eloy Pessoa de Barros Filho.

Gestão descentralizada

Faculdade de Medicina da USP - Foto: Jorge Maruta/USP Imagens
Em 2020, o lançamento da pedra fundamental da FMUSP completará 100 anos – Foto: Jorge Maruta/USP Imagens

Coordenador do eixo temático que envolve sustentabilidade e gestão participativa, o professor Yassuhiko Okay explica que uma das propostas discutidas é realizar uma gestão mais descentralizada. A ideia é promover a criação de lideranças entre as diferentes categorias profissionais e em diferentes níveis hierárquicos, tornando-as copartícipes da gestão.

“Isso traz engajamento, melhora a autoestima, a cooperação e o sentimento de pertencer à instituição. O usuário se beneficia muito deste modo consciente de servir à população”, observa.

Foi proposto também potencializar doações de pessoas físicas e jurídicas; reduzir todo tipo de desperdício; focar o paciente, com revisão de processos e gestão de recursos, de protocolos de atendimento, de hotelaria; praticar referência e contrarreferência de informações técnico-científicas, gerenciais e do paciente de modo mais eficaz; reduzir custos sem perder a efetividade; desenvolver novos produtos relacionados ao ensino e à pesquisa, entre outros.

“As propostas se transformam em ações e são operacionalizadas continuamente. A instituição pratica uma gestão contínua na sucessão das diferentes diretorias da FMUSP, de tal modo que os projetos não sofrem descontinuidade”, ressalta o coordenador Okay.

slide
Reunião realizada com professores e funcionários no dia 20 de maio sob o tema: FMUSP 2020 - Renovar Eixos principais e pactos firmados - Foto: divulgação/FMUSP
slide
Reunião realizada com professores e funcionários no dia 20 de maio sob o tema: FMUSP 2020 - Renovar Eixos principais e pactos firmados - Foto: divulgação/FMUSP
slide
Projeto FMUSP 2020 - Foto: Cecília Bastos/USP Imagens
slide
Reunião realizada com professores e funcionários no dia 20 de maio sob o tema: FMUSP 2020 - Renovar Eixos principais e pactos firmados - Foto: divulgação/FMUSP
slide
Reunião realizada com professores e funcionários no dia 20 de maio sob o tema: FMUSP 2020 - Renovar Eixos principais e pactos firmados - Foto: divulgação/FMUSP
Prev
Next

Sistema de comunicação

O eixo que envolve inovação tecnológica é coordenado pelos professores Marina Caldeira e Moisés Goldbaum. Eles contam que foi definida a criação de um centro de comunicação em Tecnologia da Informação, que desenvolverá um sistema de comunicação único para o complexo FMUSP-HC.

O sistema vai integrar o sistema de crachás – hoje, cada instituto tem o seu e os acessos acabam se complicando para quem trabalha ou estuda. “Também será concluído, validado e implementado o polo de inovação em saúde no Quadrilátero da Saúde, que compreende a FMUSP, a Faculdade de Saúde Pública (FSP), a Escola de Enfermagem (EE), o Instituto de Medicina Tropical (IMT) e o Serviço de Verificação de Óbitos da Capital (SVOC), em perfeita articulação com o Hospital das Clínicas”, observam os coordenadores.

Foto: Divulgação / FMUSP 2020
Foto: Divulgação / FMUSP 2020

Marina e Goldbaum afirmam que, para difundir a cultura da inovação entre os pesquisadores e facilitar o estabelecimento de parcerias com empresas e o registro da propriedade intelectual, foi criado o Escritório de Inovação na FMUSP em consonância com a Agência USP de Inovação.

“Este escritório promove o desenvolvimento de novos métodos de diagnósticos na área de cardiologia, imagenologia, ortopedia, entre outras; do ponto de vista socioeducacional, atendimentos emergenciais, telemedicina; e do ponto de vista de gestão, estabelecimento de prontuários eletrônicos, programação de atendimentos médicos.”

Os coordenadores do eixo Inovação Tecnológica entendem que o processo de internacionalização em curso, a busca por excelência no ensino, tanto nos níveis de graduação quanto na pós-graduação, o estabelecimento de projetos de ensino, pesquisa e extensão com alto grau de sustentabilidade e o envolvimento regular com os processos de inovação tecnológica proporcionarão à Faculdade de Medicina chegar em 2020 com bons resultados em todos os âmbitos, com profissionais capacitados prestando serviços de saúde de qualidade, pesquisadores de alto nível e produção de conhecimento de ponta.

Humanização

Linamara Rizzo Battistella - Foto: Secretaria dos Direitos das Pessoas com Deficiência
Linamara Rizzo Battistella – Foto: Secretaria dos Direitos das Pessoas com Deficiência

Segundo a coordenadora do eixo Humanização, professora Linamara Rizzo Battistella, a humanização é uma ação transversal que permeia os processos que se relacionam com pessoas, desde o projeto pedagógico, as diretrizes de pesquisa e principalmente as práticas assistenciais.

Para garantir que a cultura de humanização esteja presente no continuum das ações dentro da Universidade, o respeito aos direitos de todos os humanos deve ser uma prática permanente e consolidada por programas de estímulo ao empoderamento e participação de todos os atores.

“A proposta para este novo período visa a fortalecer a educação e o apoio da humanização para o corpo docente e discente e isto se fará  por meio de atitudes e ações materiais, como a que vem sendo desenvolvida no Pronto Socorro Central do HC e que será estendida para outras áreas, objetivando reestruturar as áreas hostis ao paciente”, observa Linamara.

“Nestes cinco anos, fizemos progressos e entre eles está a criação do Núcleo de Direitos Humanos, mas devemos comemorar a repercussão favorável dos conteúdos de humanização no currículo de graduação e a percepção positiva dos alunos nas práticas assistenciais humanizadas.”

Excelência no Ensino

Para o presidente da Comissão de Graduação da FMUSP e coordenador do eixo Excelência no Ensino, professor Edmund Chada Baracat, durante os cinco anos foi implantada a reforma curricular, que passou por ampla discussão em toda a comunidade da faculdade e colocou o novo currículo em ação no início de 2015.
Baracat ressalta que o curso de graduação em Medicina está sob a coordenação da Comissão de Graduação, que agora conta com a Comissão Coordenadora de Curso integrante da Governança do curso. “Os docentes também estão contemplados com o Núcleo de Desenvolvimento Docente, que é responsável pela capacitação pedagógica dos professores envolvidos no ensino de graduação.”
Até 2020, o professor espera ter concluído a implantação do novo currículo, com sua governança bem estabelecida; integrar os espaços didáticos em um edifício didático; criar um espaço para o ensino de simulação e habilidades, incluindo as habilidades relacionais; ampliar o intercâmbio internacional de alunos e docentes e expandir a tutoria acadêmica e a rede de suporte de mentoring (termo em inglês normalmente traduzido como “tutoria”, ferramenta de desenvolvimento profissional que consiste em uma pessoa experiente ajudar outra menos experiente).
Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Textos relacionados