Calama, Rondônia: a alegria de ouvir e o retorno dos sorrisos

A 4ª Expedição Ribeirinhos do Projeto FOB USP em Rondônia esteve em Calama no mês setembro. Foram 140 atendimentos na odontologia e 106 na fonoaudiologia

Por - Editorias: Extensão
Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail
00_zero

“Quando ligaram o aparelho e eu escutei a voz das crianças… Aí o meu coração ó…” (nesse momento a trabalhadora rural Maria de Fátima Lacerda, de 56 anos, leva a mão até o lado esquerdo do peito e simula a taquicardia que sentiu quando a equipe de fonoaudiologia ligou os aparelhos auditivos dela)

00_zero
A alegria da trabalhadora rural Maria de Fátima Lacerda após receber os aparelhos auditivos. À direita, equipe de Fonoaudiologia faz a adaptação dos aparelhos – Foto: Denise Guimarães/USP Imagens
00_zero

Aqui não tem farmácia, dentista ou fonoaudiólogo. Estamos falando de Calama, uma comunidade ribeirinha com cerca de 3 mil habitantes, distrito da capital Porto Velho, em Rondônia. O acesso é via barco, navegando 12 horas pelo Rio Madeira até quase a divisa com o Amazonas. Quando precisam desse tipo de atendimento, os moradores precisam ir a Porto Velho. A passagem custa R$ 120,00 ida e volta, valor muito alto para a maioria deles.

Desde 2013, sempre no mês de setembro, essas dificuldades são amenizadas quando um grupo da Faculdade de Odontologia de Bauru (FOB) da USP chega à comunidade. Trata-se da Expedição Ribeirinhos do Projeto FOB USP em Rondônia. Neste ano, a 4ª expedição ocorreu entre 1° e 10 de setembro. Eles saíram de Bauru, interior de São Paulo, e percorreram cerca de 3 mil quilômetros de ônibus até Porto Velho. De lá, pegaram um barco até Calama. Foram 72 horas de viagem até a comunidade ribeirinha. Os 246 atendimentos foram realizados dias 5, 6 e 7, sendo 140 na odontologia e 106 na fonoaudiologia. Um deles foi o da trabalhadora rural Maria de Fátima Lacerda: ela recebeu dois aparelhos auditivos.

00_zero
00_zero
A protética Patrícia Fiorini (detalhe) realiza a confecção do molde do aparelho auditivo – Foto: Denise Guimarães/USP Imagens
00_zero

A adaptação e a doação desses aparelhos são um dos diferenciais em relação aos trabalhos que o projeto realiza nos meses de janeiro e julho em Monte Negro, cidade a 250 quilômetros ao sul da capital. Em Calama, a protética Patrícia Fiorini, do Laboratório de Molde Auricular da Divisão de Saúde Auditiva (DSA) do Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais (HRAC/Centrinho) da USP, em Bauru, acompanha a equipe. Ela realiza a confecção do molde, o que permite aos pacientes receberem os aparelhos no mesmo dia ou no dia seguinte. Já em Monte Negro, os pacientes esperam seis meses: após a pré-moldagem, o material é enviado a Bauru, onde o molde será confeccionado, mas a adaptação e a entrega ocorrem somente na viagem seguinte. Os aparelhos auditivos são doados por uma empresa.

00_zero
20161004_01_calama_patriciaA protética Patrícia Fiorini acompanha a equipe
Info 4
00_zero

00_zero

As triagens da fono e odonto são realizadas por ordem de chegada. A primeira ocorre por volta das 8 horas e a segunda, após o almoço. Os moradores chegam cedo para conseguir vaga. No feriado de 7 de setembro, Dia da Independência, pouco antes das 8 horas, cerca de 60 pessoas esperavam na frente do posto de saúde a chegada das equipes.

00_zero
00_zero
Posto de Saúde de Calama: a população madruga na fila - Foto: Denise Guimarães/USP Imagens
A equipe da USP atende no posto de saúde de Calama: muitos moradores chegaram de madrugada para conseguir atendimento – Foto: Denise Guimarães/USP Imagens

Odontologia

00_zero
As donas de casa Laurimar Lopes e Elisângela Alves – Fotos: Denise Guimarães/USP Imagens

Um dia antes, 6 de setembro, a dona de casa Laurimar Lopes Mendonça, de 35 anos, foi a primeira a ser atendida. Mas para isso teve de madrugar: chegou às 3h56 da manhã. “O projeto é muito importante porque traz saúde bucal para as pessoas de Calama. E aqui não tem dentista”, diz Laurimar, que fez restauração em um dos dentes.

A dona de casa Elisângela Alves, de 29 anos, também passou por uma restauração dentária. Para ela, o trabalho das equipes da USP é muito bom. “É muito difícil para a gente ir até Porto Velho. Então foi muito importante eles [a equipe da USP] terem vindo para cá. Espero que voltem no próximo ano”, sugere.

A saúde bucal das crianças é muito preocupante – Foto: Jefferson Moura Vieira

 

 

00_zero

 

00_zero

O mestrando em odontologia da FOB, Jefferson Moura Vieira, explica que a extração dentária é realizada quando o dente não pode ser salvo. Caso contrário, fazem a remoção da cárie e a restauração do dente. Outros procedimentos são a profilaxia (limpeza) e a aplicação de flúor.

A alta porcentagem de extrações (61%) realizadas nesta última expedição revela os problemas bucais da comunidade. Muitos moradores não têm condições de arcar com os custos de escovas de dentes, pasta e fio dental. E a saúde bucal das crianças também é preocupante.

“Eu nunca vou esquecer a cena”, conta Moura Vieira. “A mãe trouxe a filha de uns quatro ou cinco anos e quando o aluno mostrou a boca da criança, não havia um dente que não estivesse escurecido com cárie. Não havia um dente que se salvasse”, lamenta o pós-graduando. Após as consultas, as crianças ganharam kits contendo escova de dentes, pasta fluoretada e sabonete.

00_zero
“A mãe trouxe a filha de uns quatro ou cinco anos e quando o aluno mostrou a boca da criança, não havia um dente que não estivesse escurecido com cárie. Não havia um dente que se salvasse”

Fonoaudiologia

O professor Roosevelt Bastos realiza a entrega de kits de higiene bucal na escola Dra. Ana Adelaide Grangeiro. À direita, o garoto Kadu Barreto Sales – Foto: Denise Guimarães/USP Imagens
00_zero

Certa vez, uma criança moradora de Calama, com cerca de 3 anos, passou por uma consulta com a equipe da fonoaudiologia. Os profissionais constataram que o garoto Kadu Barreto Sales apresentava perda auditiva profunda, o que o tornava candidato a uma cirurgia de implante coclear. O garoto foi encaminhado ao Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais (Centrinho/HRAC) da USP, em Bauru, referência mundial nesse tipo de atendimento.

Profa. Dra. Magali Caldana e Kadu Barreto Sales - Foto: Denise Guimarães/USP Imagens
A professora Magali Caldana, coordenadora do Projeto FOB USP em Rondônia, com o garoto Kadu Barreto Sales – Foto: Denise Guimarães/USP Imagens

O implante coclear é uma prótese computadorizada formada por componentes internos e externos que substituem o órgão de Corti (órgão sensorial da audição). Mas é essencial que, após a cirurgia, o paciente receba acompanhamento multiprofissional (fonoaudiólogos, otorrinolaringologistas, assistentes sociais, psicólogos) para aprender o significado dos sons. Sem isso, o procedimento é inviabilizado.

00_zero
A cirurgia [de implante coclear] não pode ser realizada pois seria necessário que o garoto viajasse duas vezes por semana até Porto Velho, para fazer o acompanhamento, mas a família não tem condições de bancar os gastos.
00_zero

O garoto e a mãe foram para Bauru e ele passou por todos os testes e exames. No entanto, a cirurgia não pode ser realizada pois seria necessário que ele viajasse duas vezes por semana até Porto Velho, para fazer o acompanhamento, mas a família não tem condições de bancar os gastos.

Atualmente, Kadu está com um aparelho auditivo convencional, mas não é suficiente para lhe proporcionar uma boa audição. “A fase em que detectamos essa perda auditiva era a ideal para fazer a cirurgia do implante coclear. Infelizmente algumas coisas estão além do nosso alcance e isso nos entristece, mexe muito com a gente”, relata a doutoranda em fonoaudiologia Cristina do Espírito Santo, presidente da comissão organizadora do Projeto FOB USP em Rondônia.

00_zero
20161004_01_calama_Cristina“Infelizmente algumas coisas estão além do nosso alcance e isso nos entristece”

Atividades na escola

00_zero

Os grupos de fono e odonto também realizaram atividades na Escola de Ensino Fundamental Drª Ana Adelaide Grangeiro. A mestranda em fonoaudiologia Laura Katerine Felix de Andrade e algumas graduandas estiveram na escola e aplicaram testes de leitura e escrita para identificar dificuldades de aprendizagem. “Por meio desses testes é possível identificar quais caminhos a criança utiliza para aprender”, conta Laura. “Percebemos que muitas delas apresentam dificuldades de aprendizagem, mas não são todas e não podemos generalizar”, ressalta. Nesta última expedição, foram avaliadas 60 crianças e a ideia era produzir um relatório e enviar para os professores os resultados dessas avaliações, a fim de orientá-los sobre essas dificuldades.

A fonoaudióloga Laura na E.M.E.I.E.F Dra. Ana Adelaide Grangeiro - Foto: Denise Guimarães/USP Imagens
A fonoaudióloga Laura Andrade aplica testes com os alunos da escola Ana Adelaide Grangeiro – Foto: Denise Guimarães/USP Imagens

Na área de odontologia, o professor Roosevelt da Silva Bastos, do Departamento de Odontologia da FOB, explicou aos alunos como prevenir a cárie. De maneira bastante lúdica, ele utilizou uma bolinha de isopor e um esmalte de unhas na cor preta para simular, na frente dos alunos, os estragos que a cárie provoca no dente.

O professor instigou os alunos com questões como: o que eu posso fazer para controlar a cárie?, pois isso estimula a independência deles. “Tudo o que a gente quer é ver essas crianças com autonomia e empoderamento. E informação é poder. Essa criança vai lembrar, em algum momento, que precisa escovar os dentes. Isso traz independência”, destaca.

00_zero
00_zero
Ação de saúde coletiva na E.M.E.I.E.F Dra. Ana Adelaide Grangeiro - Foto: Denise Guimarães/USP Imagens
Bolinha de isopor e esmalte preto: de forma lúdica, as crianças da escola Ana Adelaide Grangeiro aprendem com o professor Roosevelt Bastos os danos da cárie. À direita, o professor José Roberto de Magalhães Bastos complementa a orientação – Foto: Denise Guimarães/USP Imagens

Escovódromo

00_zero

Silva Bastos conta que, em anos anteriores, quis analisar a prática de escovação dentária dos alunos. “Fizemos uma escovação supervisionada com todos eles. Mas não havia um ambiente adequado. Então conversamos com a direção da escola e também com a direção do projeto. No ano seguinte, quando retornamos a Calama, a escola havia construído um ‘escovódromo’, um ambiente favorável, tanto para as crianças escovarem os dentes após as refeições, como para higienizar as mãos”, relata.

No final, os professores da FOB entregam para os alunos kits de higiene bucal contendo pasta fluoretada, escova de dentes e sabonete.

Escovodromo - Foto: Denise Guimarães/USP Imagens
Após uma conversa com a equipe do projeto, os diretores construíram um “escovódromo” – Foto: Denise Guimarães/USP Imagens

Leia mais sobre o Projeto FOB USP em Rondônia na reportagem especial do Jornal da USP

00_zero
20161021_logoAcompanhe na próxima semana a reportagem completa sobre a 4a Expedição Ribeirinhos do Projeto de Extensão Universitária FOB USP em Rondônia, que será publicado no Jornal da USP Especial.
Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Textos relacionados