Em Pirassununga, alunos vivenciam produção industrial do leite

Na Seção de Laticínios da USP, estudantes aprendem na prática como acontece o processamento do leite e seus derivados

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail
Seção de Laticínios/ FZEA - Foto: Reprodução
Leite de vaca e de cabra, queijo minas frescal, doce de leite e manteiga são alguns dos itens produzidos na Seção de Laticínios – Foto: Reprodução

Existem várias formas de enriquecer a formação do aluno durante seu período na universidade, por exemplo, trazendo experiências semelhantes às do mercado de trabalho e fornecendo todo suporte para uma pesquisa acadêmica qualificada. Com essa ideia, o campus da USP em Pirassununga desenvolveu uma Seção de Laticínios, local onde estudantes e pós-graduandos dos cursos de Veterinária, Zootecnia, Engenharia de Alimentos e Engenharia de Biossistemas têm contato direto com a produção industrial, fase final da bovinocultura leiteira.

Reinaugurada no ano passado, a seção passou por reformas estabelecidas pelo Serviço de Inspeção de São Paulo (Sisp). O objetivo era obter o certificado que permite a comercialização dos alimentos produzidos no estabelecimento, atestando sua qualidade e segurança.

Imagem dos equipamentos da Seção de laticínios da USP
Seção de Laticínios do campus da USP em Pirassununga – Foto: Reprodução

Na Seção de Laticínios da USP é feito todo o processamento do leite. O alimento chega cru e refrigerado, passa pela pasteurização e pode ser empacotado ou seguir para produção de derivados. Além do leite de vaca, a instalação é responsável por produzir leite de cabra, queijo minas frescal e minas padrão, muçarela, queijo de cabra normal e condimentado, doce de leite e manteiga. O processo de ordenha é administrado por outro setor, mas ainda assim os animais do campus são utilizados como fonte de matéria-prima.

Apesar do foco no ensino, a seção conta com um setor de vendas. Toda a renda obtida com a comercialização dos produtos é revertida em fundos para a Universidade. O local possui funcionários que, independentemente das aulas, trabalham diariamente para evitar perdas relacionadas aos alimentos.

“O campus de Pirassununga é a única instituição que possui uma seção de laticínios com essa infraestrutura, permitindo que docentes tenham acesso para exercer visitas e aulas práticas”, comenta o professor Arlindo Saran Netto, vice-prefeito do campus.

O campus de Pirassununga é a única instituição que possui uma seção de laticínios com essa infraestrutura, permitindo que docentes tenham acesso para exercer visitas e aulas práticas.

Aulas práticas

Nos dias de visita à seção, os alunos aprendem na prática a analisar a qualidade do leite, observar o processo de pasteurização e participar da produção dos alimentos em si. “Conseguimos colocar em prática tudo aquilo que aprendemos na teoria. É uma sensação maravilhosa. Quando a turma viu o processo de pasteurização, ficamos encantados. Na minha opinião, a seção e esse tipo de aula são importantíssimos para o nosso aprendizado”, fala Gabriel Assis, estudante de Medicina Veterinária.

Todas as visitas são acompanhadas de um docente responsável pela disciplina. Os alimentos produzidos durante essas atividades não são comercializados, pois assim os alunos têm a oportunidade de provar dos leites e queijos que eles mesmos fabricaram, tornando a experiência ainda mais divertida.

Segundo o professor Carlos Humberto Corrasin, responsável por ministrar disciplinas que utilizam a Seção de Laticínios em aulas experimentais, o maior benefício é a real participação dos estudantes no processo de produção, oportunidade que não seria encontrada em nenhuma visita técnica externa, método anteriormente usado para aproximar ao máximo os alunos da prática.

A Seção de Vendas, contendo os alimentos produzidos no departamento, fica localizada no Prédio Central, próximo ao restaurante do campus. O horário de funcionamento é de segunda a sexta-feira, das 7 às 11 horas e das 13 às 17 horas.

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Textos relacionados