Disciplina de Arte Marcial Chinesa tem grão-mestre da modalidade

A disciplina é ministrada na Escola de Educação Física e Esporte e em conjunto com o professor Walter Correia

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Neste semestre, os alunos da matéria Arte Marcial Chinesa: cultura e movimento estão tendo a oportunidade de assistir às aulas com Leo Imamura, grão-mestre de Ving Tsun. A disciplina optativa que é oferecida pela Escola de Educação Física e Esporte (EEFE) da USP foi criada em 2011 com o objetivo de analisar a tradicional arte marcial chinesa Ving Tsun Kung Fu no contexto da cultura corporal de movimento. “A ideia não é enfatizar a questão da luta, mas sim a gestão do conflito. É um tema que não costumamos trabalhar dentro do nível corporal, trabalhamos apenas dentro da lógica”, explica Imamura.

O grão-mestre Leo Imamura durante aula
O grão-mestre Leo Imamura durante aula | Foto: Assessoria EEFE

O Ving Tsun (ou Wing Chun) é um sistema chinês de inteligência estratégica fundado na Dinastia Ching (século XVIII). O estilo, cuja elaboração é atribuída a uma mulher que se chamava Yim Ving Tsun, tem como aspectos centrais: movimentos rápidos e plenos de variações, a condução da força para legitimar as relações humanas em um conflito e a utilização do suave para vencer o robusto. Em 2007, com o apoio da Unesco, o Ving Tsun  Kung Fu foi declarado patrimônio cultural intangível pelo governo chinês.

As aulas começam com um momento de vivência de experiências por meio de movimentos característicos do Ving Tsun seguem para uma apreciação da experiência vivida. Na parte prática, os alunos são convidados a repetirem uma série de movimentos selecionados do estilo Ving Tsun individualmente e, depois, é proposto um estudo baseado nesta sequência em dupla. Ao final, os estudantes compartilham experiências e refletem sobre o aprendizado em aula, relacionando o conhecimento que obtiveram na experiência corporal com questões de ordem moral e filosófica.

Leo Imamura foi um dos pioneiros na inclusão da modalidade  em um currículo acadêmico. Em 1992, ele introduziu e geriu a cadeira de artes marciais na Faculdade de Educação Física de Santo André (FEFISA), faculdade onde atuava como docente na época. Em seus anos de carreira, ele já formou 24 mestres de kung fu, incluindo o professor Walter Correia.

A disciplina desperta o interesse de alunos de diversas unidades das áreas das exatas, comunicação, psicologia, geografia, entre outros, incluindo interessados externos à universidade que podem participar como ouvintes. Basta entrar em contato pelo telefone (11) 3091-2247. Os alunos da USP interessados em cursar a disciplina no próximo semestre, deve acompanhar o seu oferecimento no Júpiter Web.

“As pessoas que estão aqui elas nunca viram arte marcial na vida e elas estão num grau de entusiasmo e de dedicação que você pensa que elas são das artes marciais devido ao silêncio, à disciplina. Isso é mérito do professor Walter, que soube criar essa ambiência para que as pessoas entrem no clima. A ideia da colaboração não vem apenas por uma questão moral, mas porque as pessoas percebem que há um benefício mútuo quando há uma colaboração, quando trabalham junta”, diz Imamura.

A disciplina tem carga horária total de 30 horas/aula e seu programa pode ser visualizado no Sistema Marte.

Com informações da Assessoria da Escola de Educação Física e Esportes

Mais informações (11) 3091-2247, site http://www.eefe.usp.br 

 

 

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Textos relacionados