USP 83 anos: a história dos primeiros professores da Universidade

Documentos resgatados no Arquivo Geral do Estado contam parte da história dos primeiros intelectuais a lecionar na Universidade

Por - Editorias: Comunidade USP
Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

especial_chapeu_usp_83anos00_zero

.
Em 25 de janeiro, exatamente no aniversário de fundação da cidade de São Paulo, foi publicado o decreto de criação da USP. Há 83 anos nascia a Universidade, reunindo em uma só instituição sete outras já existentes – entre elas, a Faculdade de Direito, a Faculdade de Medicina e a Escola Politécnica. A novidade era a Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras (FFLC) da USP, um ambiente que deveria reunir as mais diversas áreas do saber.
.

Detalhe de livro contendo o contrato de Paul Vanorden Shaw - Foto: Marcos Santos/USP Imagens
Detalhe de livro contendo o contrato de Claude Lévi-Strauss – Foto: Marcos Santos/USP Imagens

.
Para lecionar na recém-fundada unidade, pesquisadores e intelectuais franceses, italianos, alemães e alguns poucos portugueses, espanhóis e estadunidenses vieram ao Brasil entre 1934 e 1944. A chegada destes estrangeiros possibilitou a criação de uma universidade com formações diversas, pouco exploradas até então no Brasil: a maior parte deles foi convocada para ministrar disciplinas de áreas como filosofia, biologia, química, física, matemática, história e sociologia.

No ano passado, três livros de registros das contratações destes intelectuais que formaram a primeira geração de professores e pesquisadores da USP foram localizados pelo Arquivo Público do Estado de São Paulo (Apesp), tornando possível resgatar um pedaço importante desta história.
.

Detalhe de livro contendo o contrato de - Foto: Marcos Santos/USP Imagens
Detalhe de livro contendo o contrato de Gleb Vassielievich Wataghin – Foto: Marcos Santos/USP Imagens

.
Os documentos foram descobertos durante o trabalho de criação de um guia sobre o Acervo Permanente do Apesp. Os livros estavam em meio ao material do fundo pessoal de um historiador e professor da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP, como é chamada hoje a antiga FFCL, e desconectados de seu contexto de produção, ou seja, a Secretaria de Estado da Educação e Saúde Pública, à qual a USP era subordinada na época.

Após o achado, uma cópia dos documentos foi disponibilizada para consulta pelo Arquivo Geral da USP, já que a maior parte das pesquisas no local estão relacionadas a esse tema. Nos registros, há informações sobre a contratação de um grupo de mais de 80 docentes, a maioria de fora do Brasil, descrevendo como viriam e para quais aulas foram contratados.

Detalhe de livro contendo o contrato de - Foto: Marcos Santos/USP Imagens
Detalhe de livro contendo o contrato de Fernand Paul Achille Braudel – Foto: Marcos Santos/USP Imagens

.
Para contar essa história e apresentar os registros, foi organizada, em setembro passado no Apesp, a conferência A história da Universidade de São Paulo e a contratação de seus primeiros docentes – contextualizando documentos, para apresentação dos livros de contratos pelo Arquivo.

Entre os nomes que chegaram à USP naqueles anos estavam Claude Lévi-Strauss, Gleb Wataghin, Felix Rawitscher, Heinrich Rheinboldt, entre outros intelectuais que contribuíram para o desenvolvimento das ciências em todo o mundo. “Na Faculdade de Filosofia, temos professores que já eram ou se tornaram famosos. Esses professores foram muito importantes para a construção da universidade e para o que a USP é hoje”, afirma Lilian Miranda, supervisora técnica de gestão documental do Arquivo Geral da USP.
.

Detalhe de livro contendo o contrato de Jean Maugüé - Foto: Marcos Santos/USP Imagens
Detalhe de livro contendo o contrato de Jean Maugüé – Foto: Marcos Santos/USP Imagens

.
As aulas eram dadas no idioma nativo de cada professor e a exigência nos cursos eram altas. “Usavam avental branco, com a ideia de que eles eram cientistas. Sabe-se que notas muito altas não eram comuns”, afirma a atual diretora da FFLCH, Maria Arminda do Nascimento Arruda. A Universidade comportava poucos alunos. Apenas jovens com a sorte de terem um estudo prévio de elite conseguiam entrar no Colégio Universitário, que em dois anos preparava os estudantes para a graduação na USP.

Hoje, segundo a diretora, o ensino é muito diferente. “Éramos poucos, hoje os alunos são muitos. E quando se amplia o número de estudantes você recebe estudantes com formações muito diferenciadas”. A ideia de formações gerais e da concentração de diversas ciências em uma só faculdade também não perdurou. “Esse processo de especialização é mundial. As universidades foram se especializando formando para o mercado”.
.

Detalhe de livro contendo o contrato de Paul Vanorden Shaw - Foto: Marcos Santos/USP Imagens
Detalhe de livro contendo o contrato de Paul Vanorden Shaw – Foto: Marcos Santos/USP Imagens

.
Contribuição dos docentes no Brasil

O convite para lecionar na USP não serviu somente à Universidade e aos estudantes por eles formados. A vinda dos intelectuais estrangeiros permitiu o desenvolvimento da pesquisa no Brasil e suas produções contribuíram mundialmente.

Detalhe de livro contendo o contrato de Paul Vanorden Shaw - Foto: Marcos Santos/USP Imagens
Detalhe de livro contendo o contrato de Pierre Monbeig – Foto: Marcos Santos/USP Imagens

.
Com salário de 3.158 francos franceses, intermediados pelo Consulado Francês, Claude Lèvi-Strauss veio à USP em 1935, ainda jovem, com contrato para ministrar disciplinas de sociologia. Durante os poucos anos que permaneceu no Brasil, fez expedições ao interior do País e deu início aos estudos com povos indígenas. Mais tarde foi lecionar nos Estados Unidos, onde estudou os índios norte-americanos e se tornou um dos maiores etnólogos no mundo.

O físico russo naturalizado italiano, Gleb Wataghin, veio ao Brasil já com experiência como professor. O cientista desenvolveu diversos artigos científicos de importância mundial com a colaboração de seus estudantes formados. Foi sua iniciativa de produção científica que permitiu a criação do Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas, o Instituto de Física Teórica, hoje ligado à Universidade Estadual Paulista (Unesp), e o Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA).
.

Detalhe de livro contendo o contrato de Paul Vanorden Shaw - Foto: Marcos Santos/USP Imagens
Detalhe de livro contendo o contrato de Paul Arbousse-Bastide – Foto: Marcos Santos/USP Imagens

.
A herança deixada pelos professores do período de fundação da USP, além do início da pesquisa em diversas áreas, foi uma geração de intelectuais ilustres brasileiros, que se tornaram os próximos docentes da Universidade. “Os estrangeiros formaram, sobretudo, uma coisa notável: os novos professores, a geração de brasileiros. Antônio Cândido, Florestan Fernandes, Lourival Gomes Machado, Fernando Henrique Cardoso são exemplos”, reconhece Maria Arminda.
.

Detalhe de livro contendo o contrato de Paul Vanorden Shaw - Foto: Marcos Santos/USP Imagens
Detalhe de livro contendo o contrato de Giacomo Albanese – Foto: Marcos Santos/USP Imagens

.
Graduada em 1956, a historiadora e professora livre-docente Anita Novinsky disse em entrevista ao Diário Oficial do Estado de São Paulo considerar memoráveis os tempos do começo da USP e elogia a atuação dos docentes estrangeiros. “Eram professores que marcavam o aluno para sempre”, afirmou. Anita foi uma das convidadas do evento realizado em setembro passado e chegou a ser orientada pelo professor Sergio Buarque de Holanda.
.

Anita Waingort Novinsky da Faculdade de Filosofia, letras e Ciências Humanas - Foto: Marcos Santos/USP Imagens
Anita Waingort Novinsky da Faculdade de Filosofia, letras e Ciências Humanas – Foto: Marcos Santos/USP Imagens

 

Importância dos contratos históricos

De acordo com Lílian, após a realização da conferência o Arquivo Geral da USP recebeu dois pedidos de pesquisa com a documentação. Um deles, da New York University, que tem interesse em detalhes dos contratos de Lèvi-Strauss e na atuação dos professores franceses na USP. O outro, de uma pesquisa vinculada à Escola Politécnica (Poli) da USP, pretende identificar quais dos docentes atuaram também na Poli no período.

Roberta Vassalo / Jornal da USP
Com informações do Diário Oficial do Estado de São Paulo

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Textos relacionados