Oficina vai construir Casa das Culturas Indígenas na USP

Projeto terá arquitetura tradicional mbya guarani; interessados podem se inscrever até o dia 22 de janeiro

Por - Editorias: Comunidade USP
Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail
Atividade busca estabelecer um espaço de intercâmbio de saberes - Foto: Divulgação
Atividade busca estabelecer um espaço de intercâmbio de saberes; nas comunidades indígenas, todos participam de construção das casas – Foto: Divulgação

.
A Rede de Atenção à Pessoa Indígena do Instituto de Psicologia (IP) da USP convida os estudantes da Universidade a participarem da Orereko: Oficina de Verão – Casa das Culturas Indígenas. Essa oficina de construção terá início em 30 de janeiro, com duração em torno de duas a três semanas, sendo feita de segunda a sexta-feira, das 12 às 16 horas.

O projeto da Casa das Culturas Indígenas terá arquitetura tradicional mbya guarani e será coordenada pelo Xeramoi Bastião, com um conjunto de construtores guaranis e do professor do IP e coordenador da Rede de Atenção à Pessoa Indígena, Danilo Silva Guimarães. A organização das atividades é da rede, com apoio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e da Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária (PRCEU) da USP.

Segundo o coordenador da rede, Danilo Silva Guimarães, essa oficina de construção busca aproximar a comunidade acadêmica e a comunidade indígena, em um processo de formação fundamentado no diálogo interétnico.

“Tradicionalmente, toda a comunidade indígena participa do processo de construção das casas em uma tekoa (aldeia), crianças, jovens, adultos e anciãos colaboram em atividades coletivas nas quais são transmitidos valores, como o respeito ao conhecimento acumulado pelos mais velhos, coesão comunitária, posicionamento e participação em projetos de equipe que visam a objetivos concretos, etc. Temos como objetivo proporcionar esse tipo de vivência aos participantes da oficina”, explica.

O objetivo de ter uma Casa das Culturas Indígenas no IP é proporcionar um espaço adequado para o diálogo entre tradições indígenas e a comunidade acadêmica, dando uma maior visibilidade da persistente matriz indígena em nossa cultura e, consequentemente, a formação e a construção de conhecimento daqueles que optarem por participar das atividades que serão desenvolvidas nesse espaço.

Os interessados em participar da construção devem enviar um e-mail para redeindigena@usp.br, até o dia 22 de janeiro, contendo o nome completo, número USP, um parágrafo com uma apresentação demonstrando seu percurso acadêmico e o  interesse em participar da construção.

Rede

A Rede de Atenção à Pessoa Indígena do IP teve início em 2012, como um projeto financiado pelo Programa Aprender com Cultura e Extensão da PRCEU. Inicialmente, tinha o objetivo de compreender as vulnerabilidades psicossociais enfrentadas pelas comunidades indígenas do município de São Paulo. Para isso, foi realizada a escuta de relatos expressos em rodas de conversas promovidas nas comunidades, acompanhamento de práticas tradicionais de intervenções em saúde e práticas pedagógicas nas escolas em que estudam.

No ano de 2015, o projeto foi inserido no organograma dos serviços prestados pelo instituto, como resultado de um processo gradual de inserção da temática indígena na formação dos estudantes de graduação e pós-graduação em psicologia e áreas afins. Com o tempo, a participação de estudantes se ampliou e a rede pode constituir vínculos mais profundos com as pessoas nas comunidades. A iniciativa de construção da Casa das Culturas Indígenas foi resultado do aprofundamento dessas relações,  com iniciativas que acontecem nas próprias comunidades indígenas, para as quais a rede é convidada a dar apoio com o enfoque da psicologia cultural comunitária.

“Buscamos a construção conjunta de atividades que visaram a fomentar o diálogo reflexivo sobre a situação da saúde, garantia de direitos, demarcação de terras, fortalecimento da cultura tradicional e educação diferenciada”, destaca o coordenador da rede.

Da Assessoria de Imprensa da USP

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Textos relacionados