Mutirão traz comunidade para conhecer horta da Saúde Pública

Projeto da USP difunde conhecimento sobre hortas urbanas e relação com alimento

Por - Editorias: Comunidade USP
Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn130Print this pageEmail
Detalhe da horta - Foto: Marcos Santos/USP Imagens
Detalhe da horta – Foto: Marcos Santos/USP Imagens

00_zero

A Faculdade de Saúde Pública (FSP) da USP é vizinha à Medicina, na Av. Dr. Arnaldo. Ali, em meio à movimentação intensa de pessoas e carros, existe um espaço que muitos moradores da cidade de São Paulo desconhecem, mas foi criado para eles. É a horta comunitária da FSP. No último dia 23 de fevereiro, foi realizado um mutirão para cuidar dos canteiros e atrair mais pessoas para conhecer o projeto.

Chegamos à Faculdade de Saúde Pública dez minutos depois do horário marcado para o início do mutirão. Um grupo já olhava atentamente para monitoras que explicavam as atividades que seriam realizadas no dia. Enquanto assistiam, as pessoas  faziam algumas interrupções para perguntas do tipo “que planta é essa?” ou “como é feita a compostagem?”. Das 13 pessoas presentes, poucas pareciam familiarizadas com o local.

Ana Carolina Prager Mutirão da horta - Foto: Marcos Santos/USP Imagens
Ana Carolina Prager reforça a importância do contato com as pessoas que o cultivo na comunidade proporciona – Foto: Marcos Santos/USP Imagens

00_zero

Grande parte da turma era de estudantes de outra universidade e foi à faculdade pela primeira vez por indicação de outra pessoa. A professora Cláudia Maria Bógus, da Faculdade de Saúde Pública, explica que muitos alunos se interessam pelo projeto, mas que poucos participam de forma contínua.

Ana Carolina Prager, mestranda na FSP e participante do grupo que cuida frequentemente da horta, explica que muitas pessoas não sabem como participar do projeto e há uma dificuldade para a recepção de novos membros.

A vontade de fazer mudanças é constante. As jovens que cuidam da horta criaram perfis no Facebook e no instagram, para divulgar melhor as atividades e proporcionar um meio de contato mais acessível. Um blog também explica mais sobre o projeto, além de dar dicas para o cultivo de plantas em casa.

Ana Carolina Prager e Géssica Vaz Franco - Foto: Marcos Santos/USP Imagens
Ana Carolina Prager, que cuida frequentemente da horta, e Jéssica Vaz Franco – Foto: Marcos Santos/USP Imagens

00_zero

A horta comunitária foi criada em 2013, a partir de um edital da Superintendência de Gestão Ambiental (SGA) da USP, para o desenvolvimento da sustentabilidade dentro da Universidade.

Cláudia explica que foi uma iniciativa que envolveu professores, funcionários e alunos. Ainda afirma que “a ideia sempre foi usar a horta como uma possibilidade de exploração, para discutir o direito humano a uma alimentação adequada e saudável, além da segurança alimentar e nutricional, nessa perspectiva de saúde pública”.

Hortas urbanas

Os benefícios da agricultura urbana são diversos e ainda estão sendo muito estudados. Os resultados vão além do simples trabalho manual. “Não temos a pretensão de que os alimentos cultivados na horta sejam base de alimentação para as pessoas, nem temos condições para isso. Mas queremos propiciar atividades que façam as pessoas refletir sobre a origem do alimento que consomem, como isso pode ser preparado de uma forma adequada, o modelo de desenvolvimento econômico e o cultivo de produção agrícola que temos”, afirma Cláudia.

Mutirão da horta - Foto: Marcos Santos/USP Imagens
O mutirão da horta proporciona a relação do homem com a natureza – Foto: Marcos Santos/USP Imagens

00_zero

A mestranda Ana Carolina está no projeto desde 2015 e reforça a importância do contato com as pessoas que o cultivo na comunidade proporciona. Ela explica que educação ambiental vai muito além de ideias básicas, como não jogar lixo no chão. É a relação do homem com a natureza e também com o próprio homem, criando uma vivência em harmonia.

O projeto ainda enfrenta algumas dificuldades. Há poucas ferramentas e apenas um pequeno regador para todas as plantas. Os materiais ficam em uma casinha a alguns metros da horta, que fica trancada durante o dia. Além disso, é difícil reunir pessoas, sobretudo dos diversos campi da USP, como funcionários, alunos de diferentes cursos e, até mesmo, outros professores.

O objetivo para este ano é que seja organizado um mutirão por mês, além de uma atividade como uma oficina ou roda de conversa sobre educação alimentar nutricional, compostagem e sustentabilidade, entre outros temas.

A professora Cláudia reafirma que o espaço é voltado para toda a comunidade e explica que “a horta é aberta, principalmente para as pessoas que frequentam a Faculdade de Saúde Pública, tanto para participar da atividade ou também para colher alguma coisa que esteja lá”.

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn130Print this pageEmail

Textos relacionados