Ciências Fundamentais para a Saúde tem vagas para alunos da USP

Com grade flexível, curso permite a formação de pesquisadores em áreas fundamentais para a saúde humana

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn118Print this pageEmail

Laboratório do ICB, unidade na qual parte das atividades do curso é realizada – Foto: ICB/USP

.
Estão abertas, até 1º de novembro, as inscrições para o processo seletivo do curso de Bacharelado em Ciências Fundamentais para a Saúde (CFS), oferecido no Instituto de Ciências Biomédicas (ICB) da USP. Estudantes que estejam matriculados em qualquer graduação da USP podem concorrer às 10 vagas disponíveis a serem preenchidas no 1º semestre de 2018. 

Interessados podem assistir a uma palestra de apresentação nesta sexta-feira, 27 de outubro, às 12h30, no Auditório Azul do prédio ICB IV (Av. Prof. Lineu Prestes, 1.730, Cidade Universitária, São Paulo) para tirar dúvidas e conhecer estudantes veteranos.

A seleção dos estudantes para a nova turma envolve a realização de uma prova escrita e arguição pública do currículo do candidato entrevista feita por uma banca formada por docentes da Comissão Coordenadora do Curso (COC) de CFS e com presença aberta ao público. O edital já foi publicado e as inscrições podem ser realizadas por meio do formulário on-line ou na seção de graduação do ICB.

O curso

Criado em 2005, o curso tem o objetivo de formar profissionais voltados à pesquisa científica e à docência no ensino superior, em áreas fundamentais para a saúde, como anatomia, biologia celular e molecular, histologia, embriologia, farmacologia, imunologia etc. Mas o curso também prepara o estudante para atuar no mercado de trabalho, em setores como indústrias de biotecnologia e medicamentos, agropecuária, bem como em laboratórios farmacêuticos e clínicos.

Inscrições para curso de Ciências Fundamentais para a Saúde ficam abertas apenas para estudantes de graduação da USP – Foto: ICB/USP

O curso está estruturado em um conjunto básico de disciplinas obrigatórias, fixadas pela COC, que dão o suporte necessário para que o estudante possa continuar seus estudos e se direcionar a áreas em que deseja se especializar — sendo possível substituí-las por outras, caso sejam equivalentes às que o aluno tenha cursado em sua graduação anterior.

Mas a consistência do curso e seu caráter inovador estão na possibilidade do aluno escolher as disciplinas optativas mais relacionadas à sua área de interesse. Isso se dá com a ajuda de um docente que o auxilia desde o início da graduação, o chamado tutor, que “acompanha o estudante até o momento do TCC (trabalho de conclusão de curso), no qual passa a ser acompanhando por um orientador”, informa a professora Maria Tereza Nunes, membro da Comissão Coordenadora do Curso.

A professora explica que “a tutoria, além de ajudar o aluno no dia a dia, detecta melhor suas habilidades e o acompanha, caso ele apresente alguma dificuldade por falta de embasamento ou mesmo de motivação. O tutor detecta algumas habilidades no estudante e o orienta a trabalhar e pesquisar em determinadas áreas”.

Fora as disciplinas obrigatórias e optativas, o bacharelando em CFS precisa passar por estágios supervisionados, que serão realizados nos laboratórios do ICB ou em outras unidades da Universidade, como os Institutos de Química (IQ), Matemática e Estatística (IME), Física (IF), Biociências (IB) e a Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH). O caráter desses estágios é o de colocar o estudante em contato com as diversas áreas de pesquisa, munindo-o de ferramentas que permitam escolher melhor onde deseja se especializar.

Bárbara Dalmaso trocou Obstetrícia, que frequentava na Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH), para cursar CFS. No 3º ano de Ciências Fundamentais para a Saúde, ela considera “ótima” a experiência na nova carreira.

Segundo a universitária, a flexibilidade da grade curricular e o estágio nos laboratórios do ICB dão a oportunidade de “aprender como essas disciplinas funcionam na prática do dia a dia de pesquisadores. Isso tudo acaba trazendo aprofundamento teórico e melhor capacitação prática para produção de pesquisas científicas”. Atualmente, Bárbara está envolvida em um projeto de pesquisa em bioengenharia na Rice University, em Houston (EUA), “em continuação ao meu trabalho sobre câncer que iniciei no Brasil”..

Opção ideal

Como o curso busca estudantes que já estão cursando alguma carreira na USP, ele acaba, segundo Maria Tereza, “dando a oportunidade para que o aluno, que percebeu que essa não era a opção ideal, possa prestar um exame de ingresso para um curso como o de Ciências Fundamentais para a Saúde, buscando a alternativa de fazer uma carreira acadêmica e de pesquisa”.

Mas as exigências são altas, tanto no processo de seleção quanto durante a graduação. Na seleção para transferência interna, o candidato passa por uma prova que consiste em questões escritas de conhecimentos gerais e de inglês, com conteúdo básico do ensino médio. Depois, o postulante passa por uma entrevista, em que serão analisados seu currículo acadêmico, bem como elementos que envolvem a capacidade de argumentação, facilidade de exposição de pontos de vista, dentre outras características do aluno que estejam em consonância ao que o curso de CFS necessita. “Às vezes, a gente não preenche as dez vagas”, afirma Maria Tereza.

Professora Maria Tereza Nunes, membro da Comissão Coordenadora do curso de Ciências Fundamentais para a Saúde – Foto: Arquivo pessoal

Durante o curso, o nível de exigência também se mantém e um dos exemplos é o fato do estudante ter de voltar ao curso de origem, caso reprove duas vezes em uma mesma disciplina. “O aluno que quer fazer o curso de Ciências Fundamentais para a Saúde tem de ser estudioso, comprometido e esforçado. Já aconteceu do estudante fazer uma ótima entrevista; mas, no futuro, seu desempenho acabar sendo aquém do esperado.”

Se o estudante não se adaptar ao curso pelo motivo que for, ele tem a opção de retornar ao curso que fazia anteriormente. “Caso ele não se identifique, existe a possibilidade de voltar para o curso de origem. Esse é um tipo de recurso que evita evasão.”

Para mais informações, visite o site do curso, a página no Facebook ou entre em contato com a Seção de Graduação do ICB, através do e-mail gradicb@icb.usp.br, pelo telefone 3091-7726, ou pessoalmente, na Av. Prof. Lineu Prestes, nº 2.415, campus Cidade Universitária, localizado no bairro do Butantã.

.


Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn118Print this pageEmail

Textos relacionados