Chips ajudam a monitorar árvores e podem evitar riscos de queda

Cidade Universitária, em São Paulo, recebeu projeto piloto em 200 árvores

Por - Editorias: Universidade
Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail
Foto: Marcos Santos/USP Imagens
“O chip armazena todas as informações sobre as árvores”, observa o professor Carlos Eduardo Cugnasca – Foto: Marcos Santos/USP Imagens

O manejo e o gerenciamento de árvores nas cidades brasileiras ainda são um assunto problemático. A grande variedade de espécies, o plantio de forma inadequada, o envelhecimento e outras adversidades acabam provocando acidentes, como a queda abrupta de alguns espécimes, o que pode trazer consequências trágicas. De acordo com o site da prefeitura da cidade de São Paulo, de 1º de janeiro a 30 de abril deste ano, foram registradas 1.273 quedas de árvores na capital paulista.

Para  fornecer aos gestores ambientais um recurso ágil para monitorar essas condições, o Departamento de Engenharia de Computação e Sistemas Digitais da Escola Politécnica (Poli) da USP desenvolveu um projeto piloto para analisar as árvores da Cidade Universitária, em São Paulo.

O sistema é composto por um chip comprado pronto e instalado dentro de um tipo de prego (feito de plástico de engenharia, mais resistente e durável). Esse prego é implantado em lugar de fácil acesso nas árvores. “É como se cada árvore possuísse um ‘RG’, o chip armazena todas as informações sobre ela — espécie, idade, doenças, inclinação, geolocalização, latitude, longitude etc., obtidas a partir de um banco de dados preexistente”, explica Carlos Eduardo Cugnasca, professor da Poli e coordenador do projeto.

Foto: Marcos Santos/USP Imagens
O prego plástico facilita o implante do chip na árvore – Foto: Marcos Santos/USP Imagens

A leitura dos dados contidos no chip é feita por um celular smartphone com sistema operacional Android, que tenha um aplicativo leitor da tecnologia Near Field Comunication (NFC), comunicação de pequena distância, em português. Basta aproximar fisicamente o celular do prego com o chip que o aplicativo fornece as informações sobre a árvore.

Chamado de Inventário Ambiental na Cidade Universitária, o projeto piloto é uma parceria com a Prefeitura do Campus da USP da Capital (PUSP-C) e incluiu a instalação de chips em cerca de 200 árvores do campus.

Foto: Marcos Santos/USP Imagens
Proporção do prego em relação à árvore – Foto: Marcos Santos/USP Imagens

Todo esse processo começou há quase três anos. Entretanto, por conta da crise financeira na USP e das mudanças e reorganização na gestão da prefeitura do campus, o projeto não está andando com a velocidade desejada, mas a ideia é que ele se aprimore ainda mais. “Por enquanto, o acompanhamento das árvores está suspenso, mas se está buscando fontes de financiamento para a continuidade das pesquisas”, ressalta Cugnasca.

Quando implantado o monitoramento, “a prefeitura do campus poderá fazer um planejamento inteligente, pois é possível saber quando deve ser feita a próxima poda, que tipo e quando foi feita alguma intervenção”, conta o professor da Poli.

De acordo com Cugnasca, o projeto piloto pode ser ampliado com a colocação de chips nas árvores da reserva de Mata Atlântica presente no campus da Cidade Universitária.

A ideia é que as escolas realizem trilhas ambientais em que o professor/tutor poderá usar o smartphone para identificar rapidamente a árvore e adquirir toda uma ficha técnica que pode acrescentar o conteúdo passado para os alunos. “Tudo vai depender dos resultados obtidos nas árvores já em análise”, observa o professor.

Tecnologia do futuro

Foto: Marcos Santos/USP Imagens
Tecnologia simples e barata ajuda a planejar o manejo das árvores na Cidade Universitária – Foto: Marcos Santos/USP Imagens

A implantação dos chips nas árvores da Cidade Universitária é um projeto experimental e está inserido no conceito de Cidades Inteligentes, que visa ao uso de tecnologias diversas e da internet para o desenvolvimento sustentável. Baseia-se também no conceito de Internet das Coisas, uma revolução tecnológica que propõe a ligação de todos os objetos do dia a dia à rede mundial de computadores.

Cugnasca afirma que essa tecnologia já vem sendo usada no exterior e com muito êxito. “Em Paris, por exemplo, colocam o chip em todas as árvores da cidade, possibilitando uma forma mais racional de tratar essa questão, pois consideram a árvore como um ser vivo, que é plantado, se desenvolve, cresce, dura um certo período de vida e morre como qualquer outro ser. Só que antes da planta morrer, a substituem por outra. Quando a árvore já está ficando velha é transplantada antes de causar problemas. Há sempre uma renovação e nunca as árvores caem, assim não causam problemas e se mantém na cidade a quantidade arbórea desejada”, afirma.

Outras aplicações

Foto: Marcos Santos/USP Imagens
Pedaço de um dormente de trilho da CPTM onde será inserido um chip – Foto: Marcos Santos/USP Imagens

O professor da Poli lembra que essa tecnologia tem inúmeras aplicações, como, por exemplo, o uso do chip para monitorar os dormentes de uma linha de trem para controle da durabilidade, do estoque, estatística de desgaste, acompanhamento do descarte, entre outras finalidades.

É o caso de um projeto que está sendo realizado pela Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), com o apoio do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) e da Poli. As instituições estão desenvolvendo um estudo para avaliar qual chip é mais adequado, qual o local a ser implantado no dormente, “pois este recebe carga muito pesada, não podendo ser instalado em qualquer parte da madeira”, explica Cugnasca.

A segunda fase, ainda sem precisão de início, consiste em modificar o sistema de informações da CPTM para que, quando esta receber um lote de dormentes, os leitores passem automaticamente informações para o banco de dados da empresa, facilitando a localização do objeto com rapidez como também dando baixa no estoque.

Com informações de Ingrid Luisa, do Jornalismo Júnior da ECA, para a Assessoria de Imprensa da Poli

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Textos relacionados