Campus da USP em Pirassununga é renomeado para Fernando Costa

A alteração foi aprovada em sessão do Conselho Universitário, no dia 13 de outubro do ano passado

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail
fzea2
Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos (FZEA) da USP, localizada no campus da cidade de Pirassununga – Foto: Marcos Santos

Uma cerimônia realizada no anfiteatro do prédio central da Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos (FZEA), no dia 12 de agosto, marcou a mudança de nome do campus da USP na cidade de Pirassununga para Campus USP Fernando Costa. A alteração já havia sido aprovada em sessão do Conselho Universitário, realizada no dia 13 de outubro do ano passado.

“É uma justíssima homenagem a essa personalidade que foi secretário estadual da Agricultura, ministro da Agricultura, interventor federal em São Paulo e foi o responsável pela criação do Instituto Biológico, do Museu Agrícola, do Parque da Água Branca e da Escola Prática de Agricultura, que deu origem ao campus de Pirassununga. E não há forma mais adequada a essa comemoração do que inaugurar as melhorias contínuas que estão ocorrendo nesse campus”, afirmou o reitor Marco Antonio Zago.

Para o prefeito do campus, Flávio Vieira Meirelles, “com essas inaugurações, estamos fazendo jus ao legado deixado por Fernando Costa. Além da melhoria considerável nas áreas de esportes – com a inauguração da quadra de tênis, do campo de futebol society, dos vestiários e da pista de atletismo (ainda em fase de construção) –, o campus também ganhou uma sede para o escritório regional da Superintendência do Espaço Físico (SEF) e uma nova estação de tratamento de água (ainda em fase de construção)”.

PUSP-FC-01
Reitor Marco Antonio Zago e, representando a família, Carolina Costa, bisneta de Fernando Costa – Foto: Ernani Coimbra

O reitor também lembrou que essas inaugurações mostram o quanto a Universidade está fazendo para melhorar.

“A USP está passando, sim, por uma crise financeira, que não é exclusiva da Universidade, do Estado de São Paulo, mas é do Brasil inteiro. Nesses momentos de crise, a primeira coisa que devemos fazer é sentar e nos organizar. Se não podemos gastar com tudo o que queremos, vamos gastar com o que é essencial para o momento e para garantir um futuro melhor. Dessa forma, estamos provando que é possível construir, progredir, mesmo em situações difíceis. Eu convido todos a falar com otimismo sobre o futuro da USP. Há sempre aqueles que insistem em dizer que a Universidade está sendo destruída. Cabe a nós examinarmos que não é assim, cabe a nós mantermos viva essa chama que mantém essa Universidade, a melhor universidade da América Latina, respeitada no mundo inteiro”, concluiu o dirigente.

Da Assessoria de imprensa da USP

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail