Brás Cubas vira youtuber em websérie de aluno da USP

Personagem de Machado de Assis ganha adaptação e revive memórias póstumas na frente da câmera

Por - Editorias: Universidade
Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

.

.

Brás Cubas agora tem seu o próprio canal de vídeos na plataforma YouTube. Apesar de compartilhar do mesmo nome — e do mesmo sarcasmo — da personagem da obra de Machado de Assis, esse Brás do século 21 sabe bem o que é preciso para acumular seguidores na internet.

O videoblog é ficcional, mas adota diversos elementos que aproximam o seu estilo daquele usado pelos youtubers “de verdade”. A série é dirigida e roteirizada por João Paulo Bley, aluno de Audiovisual na Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP.

Desde 2014, Bley tinha vontade de criar um projeto para o YouTube. A oportunidade surgiu em 2017, ao desenvolver seu trabalho de conclusão de curso da graduação (TCC).

João Paulo Bley, aluno de Audiovisual na Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP – Foto: Lucas Pecoraro / TV USP

.
De nome “Brás”, a série introduz um jovem que morre precocemente e se apodera do corpo de um estudante para poder postar os seus depoimentos, acompanhados de comentários ácidos, na internet.

Durante os episódios, é possível encontrar diversas semelhanças à obra que inspirou a adaptação, desde o nome dos personagens até referências a capítulos do livro Memórias Póstumas de Brás Cubas, originalmente publicado em 1881 pelo escritor Machado de Assis.

O canal de vídeos pode ser acessado neste link. Para saber mais, é possível acompanhar os bastidores do projeto através da página do Facebook e do blog que Bley escreve.

O ator que interpreta Brás é Jorge Neto. Também participam da série duas atrizes da Escola de Arte Dramática (EAD) da USP: Ediana Souza e Marisa Bezerra.

Saiba mais sobre a obra original do escritor brasileiro, presente na lista de livros obrigatórios do vestibular da Fuvest na reportagem Memórias Póstumas de Brás Cubas observa a condição humana e no vídeo produzido pelo Jornal da USP:

 

.

.

 

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Textos relacionados