Animações mostram com humor como é a rotina em um laboratório

Canal de vídeos Bricking Science foi criado para ajudar a tornar a ciência mais popular

Por - Editorias: Universidade
Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail
Foto: Arquivo pessoal
Reprodução de laboratório é feita com peças de Lego. Nas fotos abaixo, Dalila e Enzo na produção de mais um vídeo – Fotos: Arquivo pessoal

A rotina de um pós-graduando envolve experimentos, desafios e muitas falhas, mas é possível encarar tudo isso com bom humor. Foi pensando nisso que a estudante de doutorado da Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCF) da USP, Dalila Cunha de Oliveira, e o gerente de projetos, Enzo Ozawa, criaram o Bricking Science: um canal de vídeos que retrata a vida da pós-graduação e o cotidiano em um laboratório de ciências biológicas de maneira divertida, utilizando a técnica de animação stop motion e para dar vida a bonecos e peças de Lego.

Segundo os criadores, o canal foi lançado para ajudar a tornar a ciência mais popular. Assim, uniram a popularidade e fácil acesso do YouTube com o atrativo das peças de Lego para contar como é o dia a dia de um pesquisador.

Construindo a ideia

Foto: Arquivo pessoal

20160927_01_lego

20160927_03_lego

Dalila é aluna de doutorado da FCF e acaba de voltar de um estágio na Faculdade de Medicina de Harvard, nos Estados Unidos. Ozawa é gerente de projetos e trabalha com mídias sociais, tradução e conteúdo digital. O casal conta que a ideia surgiu enquanto conversavam sobre ciência, pós-graduação e os problemas diários dessa rotina. “Passamos messes planejando o primeiro vídeo, que só conseguimos publicar após o nosso retorno ao Brasil. Foi extraordinário ver os bonequinhos ganhando vida”, lembra Dalila.

“Desde sempre esse negócio de vídeo foi uma curva de aprendizado, assistíamos a vários tutoriais para aprender como fazer os vídeos com qualidade, como tirar fotos, fazer uma boa iluminação, editar o vídeo, adicionar som, afinal é um hobby que exige perfeccionismo”, explica Ozawa.

Para se ter uma ideia do trabalho que dá, ele menciona que a cada segundo 24 “fotos” são exibidas na tela. Segundo os idealizadores do Bricking Science, tudo isso vale muito a pena quando se lê os comentários de estudantes e pesquisadores sobre os vídeos. Alguns dizendo, inclusive, que o Gnomo de Laboratório – o vilão que contamina cultura de células, corrompe arquivos e troca rótulos dos reagentes – também os visita.

Mais informações: email brickingscience@gmail.com

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Textos relacionados