Alunos da USP explicam como melhorar higiene de alimentos

Vídeos produzidos por estudantes da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia esclarecem população sobre boas práticas de higiene e manipulação de alimentos de origem animal

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn55Print this pageEmail
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Simone de Carvalho Balian tem um grande objetivo na sua carreira como docente: criar, a partir de uma relação de igual para igual, um ambiente agradável para seus alunos e proporcionar um aprendizado mais eficiente. O desafio da professora da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ) da USP é grande, já que a disciplina que ministra sobre inspeção sanitária está inserida no último semestre de aulas do curso, quando a maior parte dos estudantes já decidiu em qual área irá trabalhar.

Para despertar o interesse dos alunos na matéria, que tem foco em produtos de origem animal, a professora propôs uma nova forma de avaliação, além das usuais provas: a produção de material audiovisual sobre o tema. Desde 2014, os estudantes do curso de Medicina Veterinária saem da zona de conforto e produzem vídeos sobre assuntos como a diferença entre leite cru e leite industrializado, riscos do consumo de carne clandestina e boas práticas na manipulação de alimentos em casa.

A iniciativa de Simone tem surtido o efeito esperado e, fora o interesse pela disciplina ter crescido, a qualidade dos materiais produzidos foi aprimorada com o decorrer dos semestres. Para Paula Molinari, que está cursando as aulas neste semestre, a matéria traz à tona a relevância social que a profissão tem.

“Nós temos um papel importante na saúde pública, às vezes conseguindo identificar e corrigir os potenciais riscos de maneira ainda mais eficiente que profissionais de outras áreas, já que o médico veterinário está presente em todo o processo de produção e conhece todo o desenrolar da cadeia”, aponta a estudante do quinto ano.

Paula, que pretende seguir carreira na área de produção animal, mais especificamente na produção de gado de leite, ajudou a produzir um dos mais recentes vídeos postados pelo canal Alimentos – Veterinária USP no Youtube. O material, que tem quase nove minutos e conta com explicações visuais, trata exatamente do tema leite, diferenciando o cru do industrializado. Para a aluna, apesar da falta de familiaridade dos futuros médicos veterinários com a filmagem e a edição, a experiência é positiva. “É interessante porque, apesar de nos dar um trabalho relativamente maior, a apresentação dos temas abordados fica mais descontraída e a discussão que gera em sala é diferente”, explica Paula.

No vídeo a seguir, produzido pelos alunos Allison Kawaoku, Carla Boni, Rodrigo Nascimento e Tamara Boni, são apresentados os riscos de consumir carne clandestina e informações sobre identificação e cuidados dos alimentos:

Apesar da importância da inspeção sanitária, tanto a estudante quanto a docente apontam que falta conhecimento no tema, inclusive por parte de graduandos de Medicina Veterinária. Segundo a professora do Departamento de Medicina Veterinária Preventiva e Saúde Animal, a ideia de dinamizar a lógica dentro da sala de aula objetiva aproximar os alunos da disciplina e estimulá-los a serem multiplicadores do conteúdo lá apreendido em suas respectivas casas e círculos sociais, ainda que não sigam carreira na área.

O canal oficial da disciplina no Youtube, inaugurado em março de 2015, já conta quase 7.500 visualizações e 15 vídeos publicados. O material produzido já foi solicitado pelo Hospital Universitário (HU) da USP e pela Vigilância Sanitária, que o incluiu no curso que os responsáveis por estabelecimentos relacionados à alimentação precisam fazer.

Para Simone, a principal função social dos vídeos é trazer à discussão assuntos que são negligenciados. “Mais do que esclarecer, o objetivo é despertar a vontade de saber. Inclusive eu venho pedindo para os alunos que sempre no final dos vídeos coloquem um ‘para saber mais’. No meu entender, é despertar o cara para um assunto, porque o que eu vejo de mais grave não é nem não ter a informação, mas as informações erradas que passam”, alerta a professora.

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn55Print this pageEmail

Textos relacionados