Automação rompe limites entre digital, físico e biológico

Livro aborda a quarta Revolução Industrial, que tem como principal característica o fim da barreira entre essas áreas

Por - Editorias: Tecnologia
  • 16
  •  
  •  
  •  
  •  

A empresa americana de robótica Moley pretende lançar ainda neste ano a versão de um robô cozinheiro. Os usuários poderão acessar uma biblioteca de receitas que serão reproduzidas pelo robô. O custo é de cerca de U$ 75 mil. Assista ao vídeo de demonstração neste linkFoto: Reprodução / AFPBR via YouTube

.
O
lançamento do aplicativo Waze, por volta de 2008, trouxe inúmeros benefícios e facilidades para quem dirige, principalmente nas grandes cidades. De maneira colaborativa, os usuários podem saber a situação do trânsito em tempo real e ainda ter a facilidade de o próprio aplicativo indicar a melhor rota para chegar ao destino final. “O Waze é um exemplo de como o mundo digital transformou os usuários, ou seja, nós, o mundo físico, em sensores”, destaca o engenheiro Elcio Brito da Silva, pós-doutorando do Grupo de Automação em TI (Gaesi) da Escola Politécnica da USP.

A quebra dos limites entre o mundo físico (impressão 3D, robótica avançada), o digital (internet das coisas, plataforma digitais) e o biológico (tecnologia digital aplicada à genética) é a principal característica da quarta Revolução Industrial, que, acredite, já está em curso. Essa nova realidade tecnológica é o tema central do livro Automação & Sociedade – Quarta Revolução Industrial, um olhar para o Brasil. A obra, organizada pelos professores do Gaesi Eduardo Mario Dias (coordenador geral) e Sérgio Luis Pereira, além da pesquisadora Maria Lídia Rebello Pinho Dias Scotton e de Élcio Silva, reúne textos dos mais variados especialistas, de vários campos de atuação, que discutem como essa revolução vai mudar a sociedade.

O CaRINA2 é um dos carros sem motorista em desenvolvimento pelo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos – Foto: Reprodução via Youtube

.
Num primeiro momento, o tema pode parecer algo muito longínquo da nossa realidade e se assemelhar a algum roteiro de ficção científica futurista. Entretanto, basta recordar que a inovação do Waze, que nos transformou em sensores, ocorreu há quase uma década. No futuro, a previsão é que motoristas de carro deixem de ser necessários: atualmente, várias empresas e universidades do mundo, entre elas a USP, já desenvolvem projetos como os veículos autônomos (sem necessidade de condutores). Em muitos aeroportos ao redor do mundo, o check-in e o despacho de malas já é feito de modo automático, sem presença humana, e em algumas cidades do exterior já existem supermercados onde não há funcionários nos caixas: tudo é automatizado.

Especialistas do setor afirmam que a sociedade brasileira precisa ficar muito atenta a este momento da história, pois a quarta Revolução Industrial vai trazer as maiores transformações, nunca antes vistas pela humanidade. “É um livro para as pessoas entenderam o que está acontecendo com o mundo nesta quarta Revolução Industrial”, destaca Silva.

Quadro ilustrativo mostra a convergência de áreas que caracteriza a quarta Revolução Industrial

.
Quebra de limites entre barreiras

O engenheiro cita um outro exemplo da quebra de barreiras entre os mundos físico, biológico e digital: as turbinas da General Eletric (GE), que “percebem” quando irão quebrar e, com isso, sabe-se antecipadamente a necessidade de ser feito algum reparo.

Na área biológica, Silva comenta o caso de pesquisadores do Instituto Federal Suíço de Tecnologia, em Lausanne, que fizeram com que a perna paralisada de um macaco voltasse a ter movimentos com a ajuda de eletrodos ligados ao cérebro do animal, computadores e softwares, além de um estimulador na medula espinhal do primata.

Disciplina na pós

A ideia de escrever o livro partiu após o oferecimento da disciplina Automação e Sociedade, criada no Gaesi em 2017, e que teve o objetivo de levantar discussões sobre a repercussão da quarta Revolução Industrial em várias áreas da sociedade: cidades, suprimentos, saúde, energia, economia, empregos, educação, etc. A disciplina foi um sucesso e os organizadores decidiram organizar uma obra a respeito.

Entre os autores, foram convidados profissionais e especialistas de várias áreas do conhecimento de empresas e instituições como Volkswagen, Roche, Faculdade de Engenharia Industrial (FEI), Mackenzie, Poli, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA) da USP, Instituto Mauá de Tecnologia, Embraer, Ernst & Young, Faculdade de Medicina da USP e Fundação Getúlio Vargas, entre outras.

As quatro revoluções industriais ao longo dos séculos

.
O futuro é agora

Questionado sobre o por que da importância de se ler esse livro, o engenheiro destaca que a “velocidade com que esses mudanças estão ocorrendo é muito rápida. Muitas vezes, pensamos que quem precisa se qualificar para essas mudanças são as próximas gerações e que nada vai acontecer conosco”. Entretanto, o engenheiro faz um alerta: é importante sim pensar nas novas gerações, porém a quarta Revolução Industrial será tão intensa que trará mudanças muito profundas já nos próximos dez anos, em todos os setores da sociedade.

De acordo com os autores, “a expectativa é que trabalhos intelectuais mais repetitivos também sejam substituídos pela robotização”

Automação e Sociedade – Quarta Revolução Industrial, um olhar para o Brasil. Coordenadores: Elcio B. Silva, Maria L. R. P. D. Scoton, Sérgio L. Pereira, Eduardo M. Dias, 267 páginas, Editora Brasport, 2018. Preço: R$ 160,00 (versão impressa); R$ 80,00 (e-book)

.

O livro é dividido em quatro partes que discutem: as bases tecnológicas e socioeconômicas da quarta revolução; as tecnologias emergentes que estão associadas a esse momento histórico; o impacto da quarta revolução na indústria, na cadeia de fornecimento, na saúde e nas cidades; e a repercussão nos empregos, na educação e na inovação.

A obra tem prefácio de Pedro L. Passos, cofundador da Natura, e posfácio de Octavio Manoel Rodrigues de Barros, ex-economista-chefe do Bradesco e cofundador da Quantum4 Soluções de Inovação.

O lançamento do livro ocorreu no último dia 21 de fevereiro no Auditório István Jancsó  da Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin, no campus do Butantã, em São Paulo. A renda do livro será doada para o Núcleo de Inovação do Hospital das Clínicas (HC) da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP).

Mais informações: e-mail elcio@integradora.com.br, com Elcio Silva

.

 

  • 16
  •  
  •  
  •  
  •  

Textos relacionados