“USP Analisa” discute atuação do enfermeiro forense

Especialidade abrange desde preservação de indícios em crimes até atendimento às vítimas e agressores

Ramo das Ciências Forenses voltado não somente à coleta de provas, mas também ao atendimento das vítimas, a Enfermagem Forense tem ganhado espaço no mercado nos últimos anos. A especialidade foi regulamentada em 2017 e espera agora um crescimento no número de profissionais e de cursos de especialização. Para falar sobre a atuação do enfermeiro forense e das perspectivas dessa área, o USP Analisa recebe, nesta semana, a professora Lucilene Cardoso, da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto (EERP) da USP.

Segundo ela, é fundamental investir no treinamento desse profissional para que, nos casos de crimes, seja possível fazer uma preservação adequada das provas. “Por exemplo, quando o enfermeiro atua atendendo uma vítima de violência sexual, se ele não for devidamente treinado para fazer esse tipo de atendimento, todas as provas daquela violência são destruídas nas primeiras horas após a violência ocorrida. Daí a importância de ter um treinamento, uma especialização devidamente consolidada que possa instrumentalizar os profissionais a prestar o melhor atendimento”, diz.

O USP Analisa é uma produção conjunta da Rádio USP Ribeirão Preto (107,9 MHz) e do Instituto de Estudos Avançados Polo Ribeirão Preto (IEA-RP) da USP.

 

Textos relacionados