Proibição fortalece evento anual destinado à cultura afro-brasileira em SP

Iniciativa surgida em praça pública de São Paulo buscou espaço, cresceu e virou o empreendimento denominado Festival Feira Preta

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

jorusp

Um estudo realizado na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP analisou a trajetória do Festival Feira Preta, evento que acontece anualmente, entre os meses de novembro e dezembro, na cidade de São Paulo, e reúne atividades de comércio ligadas à cultura negra.

A antropóloga Gleicy Mailly da Silva, que estudou a iniciativa, é a entrevistada do podcast Os Novos Cientistas e nos conta a trajetória da então Feira Preta, quando começou, em 2002, na Praça Benedito Calixto, no bairro de Pinheiros, na zona oeste da cidade. Nos anos seguintes, a feira percorreu alguns espaços fechados até que se transformasse na ONG Feira Preta, que organiza anualmente o Festival Feira Preta.

O festival é composto de diferentes atividades, como palestras, exposições e shows e se estende em parcerias com outras instituições e associações, como o Centro Cultural São Paulo e o Museu Afro Brasil. A pesquisa de doutorado, realizada entre 2012 e 2015, e defendida em 2016, na área de Antropologia Social, teve a orientação da professora Laura Moutinho, do Departamento de Antropologia da FFLCH.

O podcast Os Novos Cientistas vai ao ar toda quinta-feira, às 8 horas, dentro do Jornal da USP no Ar, que é apresentado diariamente pela jornalista Roxane Ré (das 7h30 às 9h30) na Rádio USP FM (93,7 MHz).

Ouça a íntegra do podcast!

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Textos relacionados