Circunferência abdominal é influenciada em 40% pela genética

Conclusão faz parte de estudo sobre hereditariedade em doenças cardiovasculares

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Em 2005, a então doutoranda pela USP, Camila Maciel, pretendia fazer um mapeamento da tendência da população brasileira em adquirir doenças cardiovasculares hereditárias. A cidade de Baependi, no interior de Minas Gerais, foi a escolhida para sediar o projeto. Com pouco mais de 20 mil habitantes, moradores e suas famílias foram escolhidos de forma aleatória para compor o grupo que serviria de base para o estudo. Pesquisadora, especialista em endocrinologia pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP e professora de Medicina Integrada da Universidade Federal do Paraná, Camila explica que o enfoque da pesquisa, que já dura mais de dez anos, está nos fatores de risco que levam a doenças cardiovasculares, a chamada síndrome metabólica. Nela, encaixam-se sintomas como hipertensão, circunferência abdominal e os níveis de glicose e de HDL, ou colesterol bom.

Os resultados do projeto relacionam esses fatores à hereditariedade. Por exemplo, a circunferência abdominal é influenciada em 40% pelo fator genético. Já a hipertensão e o nível de glicose, em 20%. A médica explica que o próximo passo é avaliar a frequência com que os problemas cardiovasculares aparecem nessas pessoas. Além disso, o estudo também busca a prevenção dos fatores de risco nas crianças. Aulas e ensinamentos através de meios atrativos, como literatura de cordel, são oferecidos para a comunidade local.

O Jornal da USP, uma parceria do Instituto de Estudos Avançados, Faculdade de Medicina e Rádio USP, busca aprofundar temas nacionais e internacionais de maior repercussão e é veiculado de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular.

Você pode ouvir a entrevista completa no player acima.

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Textos relacionados