Valdir José Barbanti recebe título de professor emérito da EEFE

A cerimônia foi realizada no auditório da Escola, no dia 5 de maio. Com mais de quatro décadas de dedicação ao esporte, o professor é o 18º a receber o título de emérito da EEFE.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInImprimir esta páginaEnviar por e-mail

No dia 5 de maio, o professor aposentado Valdir José Barbanti recebeu o título de professor emérito da Escola de Educação Física e Esporte (EEFE). A cerimônia foi realizada no auditório da Escola e contou com as presenças do vice-reitor Vahan Agopyan; da vice-diretora da Escola de Educação Física e Esportes de Ribeirão Preto (EEFERP), Myrian Nunomura; do diretor do Centro de Práticas Esportivas da USP (Cepeusp), Emilio Antonio Miranda; do diretor da Faculdade de Educação Física da Unicamp, Miguel de Arruda; de membros da Congregação, professores, alunos e funcionários da Escola.

Barbanti2
O professor emérito Valdir José Barbanti (esquerda) e o diretor da EEFE, Valmor Alberto Augusto Tricoli

O professor do Departamento de Biodinâmica do Movimento do Corpo Humano e ex-diretor da EEFE, Alberto Carlos Amadio, iniciou a cerimônia falando um pouco sobre a carreira esportiva de Barbanti, que foi atleta internacional e chegou a bater o recorde brasileiro e sul-americano no lançamento de dardo, em 1968.

Amadio também fez um breve relato sobre sua formação acadêmica, sua trajetória profissional como preparador físico, técnico e docente, e a importância de sua produção científica para a área. “O homenageado sempre destacou o esporte no campo do conhecimento, no estudo da formação humana e na capacitação para a vida. Trata-se de uma manifestação que reflete o homem na sua essência, revelando todas as suas forças e fraquezas, enfim, as suas virtudes e defeitos. Foi no esporte que aprendeu o valor da vida, por seus valores pedagógicos, e que este se forja nas vitórias e nas derrotas, ou seja, a aceitação da derrota e a nobreza da vitória integram, entre outros fatores, o código de ética do esporte”, enfatizou.

Barbanti é o 18º professor a receber o título de emérito da EEFE. Como lembrou o diretor da Escola, Valmor Alberto Augusto Tricoli, “esse título é concedido aos professores aposentados que alcançaram uma posição de destaque em suas atividades acadêmicas e universitárias”.

Tricoli, que foi aluno e orientando de Barbanti, fez questão de enfatizar seu papel de disseminador de conhecimento e sua preocupação com a formação de recursos humanos na área de Educação Física e Esporte para as diferentes regiões do Brasil. “O professor Valdir sempre foi um apaixonado por bibliotecas e era impressionante a avidez com que ele buscava o conhecimento científico para, depois, compartilhá-lo com os seus alunos, e também a forma entusiasmada com que ele conduzia as aulas”, lembrou o diretor.

Mais de quatro décadas de dedicação ao esporte

Graduado em Educação Física pela USP em 1970, Valdir Jose Barbanti fez o mestrado e o doutorado na Universidade de Iowa (Estados Unidos) e livre-docência também na USP. Atuou como pesquisador nas áreas de treinamento esportivo, preparação física, aptidão física e desempenho motor, e publicou 20 livros abordando esses temas, além de ensaios e artigos.

Barbanti1
O professor emérito enfatizou a importância de se rever o passado e honrar as pessoas que lutaram para criar o presente

Comprometido com a formação de recursos humanos e o desenvolvimento da área, Barbanti também desempenhou diversos cargos administrativos na Universidade, ocupando a Diretoria da EEFE, de 1998 a 2002, e a Diretoria da recém-criada Escola de Educação Física e Esporte de Ribeirão Preto (EERP), de 2008 a 2013, sendo o seu primeiro diretor.

Em seu discurso, o professor emérito falou um pouco sobre a importância de se rever o passado, de aprender com seus erros e acertos e de honrar as pessoas que lutaram para criar o presente. Segundo ele, “boa parte da juventude de hoje vive em uma espécie de presente contínuo, sem qualquer relação orgânica com o passado da época em vivem. Parece que deixaram de saber olhar o passado de modo serviçal, de modo capacitante, e essa falta de conexão com o passado deixa o indivíduo sem direção estável e moral”.

Barbanti também defendeu a necessidade de valorizar a profissão e a importância de repensar a formação dos profissionais do esporte, refletindo sobre o currículo e o comprometimento com a Escola e com a Universidade.

(Fotos: Ernani Coimbra)

 

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Textos relacionados