USP participa da Rio+20 e apresenta suas contribuições

Além de dar contribuições antes do início das discussões da Conferência das Nações sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, realizada entre os dias 13 a 24 de junho no Rio de Janeiro, a USP também esteve presente durante a realização da Conferência, com um estande no espaço de exposições do evento, em que docentes, alunos de graduação e de pós-graduação envolvidos com a temática da sustentabilidade puderam expor seus trabalhos e pesquisas, pessoalmente, ou enviando materiais para serem distribuídos.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Além de dar contribuições antes do início das discussões da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, realizada entre os dias 13 a 24 de junho no Rio de Janeiro, a USP também esteve presente durante a realização da Conferência, com um estande no espaço de exposições do evento (Pier Mauá – Armazém 1), em que docentes, alunos de graduação e de pós-graduação envolvidos com a temática da sustentabilidade puderam expor seus trabalhos e pesquisas, pessoalmente, ou enviando materiais para serem distribuídos.

No final de abril, foi lançado a página USP Rio+20 – Contribuições da USP à Conferência das Nações Unidas, com um levantamento das teses e dissertações sobre questões sociambientais e assuntos relacionados com a Rio+20 produzidas na Universidade no período de junho de 1992 – época da Rio 92 (ou ECO-92) – e setembro de 2011.

A criação deste site é fruto das atividades de um Grupo de Trabalho e organizado pela Pró-Reitoria de Pós-Graduação e o Conselho de Pós-Graduação, que reuniu mais de 1.300 dissertações e teses defendidas na USP.

No início de maio, o Instituto de Estudos Avançados (IEA) lançou a edição nº 74 da revista “Estudos Avançados” que traz um dossiê sobre sustentabilidade e a Rio+20.

A Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária (PRCEU), em parceria com a Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA), para organizar a participação da USP na Rio+20, criaram o espaço virtual USP na Rio+20.

Este espaço reúne as experiências, informações e contribuições dos diversos Órgãos e Unidades de Ensino e Pesquisa da Universidade, preparadas por ocasião da Conferência. Pela página USP na Rio+20, há a possibilidade de conferir os projetos da USP expostos na Conferência.

Durante o evento

Apresentação do professor Eduardo Coutinho no estande da USP na Rio+20

A PRCEU e a FEA também foram as responsáveis pelo estande montado no espaço de exposições no Pier Mauá, pelo qual passaram mais de 200 mil pessoas durante os 12 dias da Conferência.

Durante o evento,  o Sistema Integrado de Bibliotecas da USP (SIBi), por meio do Portal de Busca Integrada, divulgou e promoveu o acesso a referências e/ou texto completo da produção intelectual (artigos, capítulos, teses e outros) da USP nos grandes temas da Rio+20.

Com o intuito de aumentar a visibilidade e favorecer a acessibilidade ao conteúdo, o SIBi também disponibilizou computadores e softwares destinados às pessoas com deficiência visual ou auditiva e dislexia, por exemplo.

No dia 20, a Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH) anunciou a abertura de inscrições para a Pós-Graduação em Sustentabilidade, o primeiro programa stricto sensu do gênero no Brasil, e o primeiro doutorado oferecido pela Unidade.

As mídias universitárias da USP acompanharam os docentes, alunos de graduação e de pós-graduação da Universidade na Rio+20. Como o desenvolvimento sustentável é um tema interdisciplinar, a participação não se restringiu a apenas uma área do conhecimento e teve a presença de várias Unidades, como a Escola Politécnica (Poli), mais ligada à área de exatas; a Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCF) e o Instituto de Biociências (IB), na área de biológicas; e a área de humanas, como a Faculdade de Direito, por exemplo.

Confira a cobertura aqui.

Balanço positivo

Em conversa com o professor da Faculdade de Saúde Pública (FSP), Arlindo Philippi Jr,  sobre as contribuições da Conferência – da qual participou como um dos representantes da USP – ele destacou que apesar do relatório final não ter deixado claro como os países vão cumprir os objetivos para um desenvolvimento sustentável, a realização do evento foi importante. “A Conferência apontou o que precisa ser feito, e isso é positivo”.

Philippi, que atua principalmente nas áreas de planejamento e gestão ambiental, saúde ambiental e indicadores de sustentabilidade, ressaltou também o fato do tema sustentabilidade ter sido exposto na mídia durante cerca de três meses por causa da realização da Conferência no país. “Isto não tem preço, a comunicação da sustentabilidade é muito importante”, afirmou o professor que é também pró-reitor adjunto de pós-graduação da USP e o coordenador da área de ciências ambientais da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes).

(Foto: Cecília Bastos/Jornal da USP)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Textos relacionados