Orquestra Sinfônica da USP comemora 40 anos com concerto na Sala São Paulo

Emocionar o público através da música é um dos objetivos da Orquestra Sinfônica da USP (Osusp), que realiza concerto neste sábado, na Sala São Paulo, para comemorar 40 anos de atividades.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Emocionar o público através da música é um dos objetivos da Orquestra Sinfônica da USP (Osusp), que realiza concerto neste sábado, na Sala São Paulo, para comemorar 40 anos de atividades

Em cada ensaio, em cada afinação, em cada nota há um sonho a ser atingido: a emoção do público. Essa obsessão da Orquestra Sinfônica da USP (Osusp) – perseguida desde sua criação, em 1975, até hoje, quando completa exatos 40 anos de atividades – foi notada pela reportagem do Jornal da USP, que acompanhou um ensaio do conjunto, no dia 12 passado, realizado numa das amplas salas do Edifício da Administração Central da Universidade, na Cidade Universitária.

Momentos antes do início do ensaio, a sala se enche de acordes dissonantes, quando os músicos afinam seus instrumentos. Enquanto esperam o maestro, uns preparam os violinos; outros, a flauta, o trombone, as violas, os violoncelos.

Porém, quando o dirigente chega e dá início ao ensaio, tudo se transforma. Aos poucos as notas vão saindo dos instrumentos num movimento conjunto, evoluindo nos acordes e notas. A profusão de sons desencontrados da afinação cede espaço para a harmonia e a leveza da abertura das Bodas de Fígaro, de Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791). A orquestra emociona e encanta.

Para levar essa emoção ao público, não basta conhecer bem o repertório. Segundo o maestro Wagner Polistchuk, é preciso ter muita percepção e psicologia, porque se lida com um grande grupo de pessoas com os mais diversos problemas. “No momento da apresentação, é preciso pacificar os corações e trazer cada instrumentista a pensar somente na música, nos acordes, no som. Um bom concerto precisa agregar o sentimento de todos e conseguir uni-los na música”, observa.

A harmonia demonstrada no ensaio do dia 12 será reproduzida pela Osusp neste sábado, dia 28, às 21 horas, na Sala São Paulo, quando executará o concerto “40 Anos de Osusp”, para comemorar quatro décadas de fundação. No repertório, obras de Newton Carneiro, Claudio Santoro e Camargo Guarnieri.

Ligada à Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária, a Orquestra Sinfônica da USP deu seu primeiro concerto no dia 28 de novembro de 1975, executando obras de Corelli, Mozart, Tansman, Villa-Lobos e Hindemith, sob regência do compositor Camargo Guarnieri (1907-1993), primeiro diretor artístico e regente titular da orquestra.

Ensaio Orquestra da USP

Paz de espírito – Quando toca seu instrumento, o flautista Renato Kimachi procura expressar o que tem de melhor. “Depende do que a música pede. Procuro expressar os melhores sentimentos, para que o ouvinte reconheça isso. O maior prazer é ter reconhecimento do público. O que nos dá a certeza de que cumprimos a nossa função é quando emocionamos o público.”

“Música, para mim, significa paz de espírito”, declara o violinista Cláudio Micheletti, spalla da Osusp. Como primeiro-violino desde 2005, é o responsável por conduzir a orquestra com o maestro. “Sou o ‘braço direito’ do regente”, explica. Ao começar a estudar violino, quando ainda era criança, Micheletti ficava tão fascinado com o instrumento que queria entender como aqueles sons tão bonitos podiam sair de um objeto tão simples. Seus estudos em música tiveram início em Piracicaba e continuaram em São Paulo, para onde se mudou a convite da professora Elisa Fukuda.

Já o violinista João Teodoro Nogueira está na orquestra desde a sua fundação. Camargo Guarnieri era amigo da sua família e o convidou para participar da orquestra. Pôde estudar com Guarnieri durante três anos. “Música é um universo completamente inverso do que vivemos”, afirma Nogueira. “Esquecemos todos os problemas e chateações do dia a dia. O dom da música mexe com uma parte do nosso cérebro que não estamos acostumados a mexer.”

Como exemplo, Nogueira cita a obra do compositor alemão Johannes Brahms (1833-1897), que, segundo ele, o leva para “um outro plano”. “Tem gente que gasta dinheiro com terapeuta e eu sou pago para fazer terapia tocando na orquestra”, brinca, sorrindo.

“A Osusp demonstra que a herança cultural, a criação e a inovação musical têm sido pilares para que a orquestra seja um componente vital da ligação da academia com a sociedade”, afirma o atual diretor da orquestra, Edson Leite, em seu livro Memórias Osusp.

O concerto “40 Anos de Osusp” será realizado neste sábado, dia 28, às 21 horas, na Sala São Paulo (Praça Júlio Prestes, s/nº, Centro, São Paulo, telefone 3367-9500). Serão apresentados a Abertura (2015), de Newton Carneiro – a estreia da obra –, o Concerto nº 1 para Violoncelo (1961), de Claudio Santoro, e a Sinfonia nº 3 (1952), de Camargo Guarnieri. Ingressos: de R$ 13,00 a R$ 63,00. Regência de Wagner Polistchuk e participação do solista Antônio Lauro Del Claro (violoncelo).

(Matéria publicada no Jornal da USP, edição nº 1.089, de 23 a 29 de novembro de 2015)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Textos relacionados