Orquestra Sinfônica da USP inicia temporada 2012 com novidades

A Osusp inicia nova temporada com mudanças expressivas na organização do repertório e com a participação de cinco regentes convidados.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Com a preocupação em tocar “grande música”, mas sem deixar de lado o diferencial de fazer mais pesquisa, a Osusp inicia nova temporada com mudanças expressivas na organização do repertório e com a participação de cinco regentes convidados

A Osusp durante apresentação em comemoração aos 75 anos da USP

A Orquestra Sinfônica da USP (Osusp), órgão da Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária (PRCEU), abre a temporada de 2012 com o concerto O Violino Vermelho, no dia 11 de março, domingo, às 17h, na Sala São Paulo.

Sob a regência de Wagner Polistchuk, o repertório do concerto de abertura inclui compositores clássicos do século XIX e contemporâneos do século XX, com a exibição da obra Lollapalooza, de John Adams; Concerto para Violino em mi menor, Op.64, de Felix Mendelssohn, que conta com a participação da solista Elizabeth Pitcairn – a artista se apresenta com o lendário Red Mendelssohn Stradivarius de 1720, que inspirou o premiado filme The Red Violin (O Violino Vermelho), que dá título ao concerto; Abertura para Cordas, de Witold Lutoslawski; Sinfonia nº 1 em fá menor, Op.10, de Dmitri Shostakovitch.

Programação

Os concertos da temporada 2012 na Sala São Paulo tem nove espetáculos e seguem até dezembro, com a participação de cinco regentes convidados: Wagner Polistchuk, Nicolás Pasquet; Ligia Amadio; Ricardo Bologna e Marcelo Lehninger; além de solistas nacionais e internacionais de grande prestígio.

A programação é variada, mas interligada, como, por exemplo, na série Elementos: Fogo, Água, Terra, Ar. Apresenta também obras significativas do repertório orquestral e de compositores brasileiros, além de peças consagradas e inéditas, incluindo três obras compostas por encomenda para a Osusp: Concerto para saxophone soprano e orquestra, de Mark Engebretson; uma obra para coro feminino e orquestra, de Eduardo Guimarães Álvares; Ismália, para coro misto e orquestra, sob poema de Alphonsus de Guimaraens, de Cláudio de Freitas.

“A encomenda de novas peças estimula a pesquisa, a concepção de novas obras para a orquestra, apesar de ela continuar a fazer também a música tradicional”, ressalta o diretor da Osusp, Edson Leite. A escolha da programação foi feita a partir de concepções pré-estabelecidas pela direção, posteriomente enriquecidas por propostas apresentadas pelos regentes da temporada, discutidas com o Conselho Deliberativo da Osusp e com os músicos.

Segundo o diretor, a Osusp tem a preocupação em tocar “grande música”, como fazem outras Orquestras Sinfônicas de São Paulo, mas, por estar vinculada a uma universidade, também tem o diferencial de fazer mais pesquisa, “ser um celeiro para linguagem musical, aumentar o relacionamento com a comunidade acadêmica e internacional, por meio de intercâmbios acadêmicos, que possibilitem trazer professores de instrumentos que sejam vinculados ao ensino”, afirma Leite, que acrescenta que a Orquestra está passando por uma fase de experimentação, visando ao amadurecimento, “que atenda melhor os princípios da Universidade, sendo diferente de outras existentes em São Paulo”.

A pró-reitora de Cultura e Extensão Universitária, Maria Arminda do Nascimento Arruda, denomina esta fase de experimentação como uma oportunidade para “pensar nossa identidade como orquestra de alto nível dentro de uma universidade”. A Osusp tem o objetivo de representar a USP no campo da música erudita, mas também tem papel educativo, com a preocupação de formar novos músicos. “A Universidade tem a necessidade de ser uma instituição de formação humanística, cultural, científica, formando, assim, o público para o gosto musical”, destaca.

Papel de formação

As mudanças no repertório e programação fazem parte de uma reestruturação na organização da Orquestra, que estão sendo introduzidas desde janeiro do ano passado, quando o atual diretor, Edson Leite, assumiu o cargo, passando a acumular tanto a parte administrativa quanto a artística do órgão.

Atualmente, a Osusp possui 38 músicos efetivos no seu corpo de funcionários e está em andamento o processo seletivo para contratação de mais seis músicos, e, ao longo do ano, serão abertas mais 20 vagas. “Para a Osusp ter um corpo efetivo realmente de uma sinfônica e atender às necessidades da Universidade”, explica o diretor. Ao falar sobre a contratação de novos músicos, Leite ressalta que a Orquestra tem um diferencial em relação à maioria das orquestras de universidades, por ser formada somente por profissionais, ao contrário das outras, que são compostas por alunos.

A Osusp possui 38 músicos efetivos e, até o final do ano, terá mais 26 funcionários

A Orquestra também está atuando mais proximamente junto ao Departamento de Música da Escola de Comunicações e Artes (ECA), o que possibilita agregar mais pesquisas e a participação do regente Ricardo Bologna, professor do departamento que já atuou na Orquestra anteriormente e que ajudará na aproximação com a comunidade e na realização de concertos em várias Unidades da USP.

Na área de formação, uma outra ação da Orquestra é o Projeto Academia – cujo edital será divulgado em breve – e que prevê a contratação, por um tempo específico, um ano em média, de músicos jovens.

“O desenvolvimento da sociedade passa pelo acesso à cultura também. A Universidade não é um organismo desvinculado. Ela deve ser produtora de ciência, conhecimento e cultura e a Osusp é importantíssima neste contexto”, lembra Maria Arminda.

Outras temporadas

A Osusp foi criada em 1972, e teve como seu primeiro maestro o compositor Camargo Guarnieri (1907- 1993). Em 1996, lançou um CD com obras de sua autoria. Excursionou pela Alemanha no ano de 2000. No ano de 2005, foi lançado um CD em comemoração aos 30 anos de sua fundação e, em 2006, a Orquestra recebeu o prêmio Carlos Gomes de “Melhor Orquestra do Ano”, concedido aos nomes mais expressivos da música erudita nacional. Em 2008, em um concerto inédito no mundo, a Orquestra realizou o ciclo completo das Bachianas Brasileiras de Villa-Lobos.

De 2009 a 2011, ofereceu ao público uma temporada de concertos que incluiu a participação dos solistas vencedores do Concurso Internacional Rainha Elisabeth, da Bélgica. No ano passado, a Osusp realizou 39 concertos – realizados na Sala São Paulo ou em outros lugares por ocasiões festivas, comemorativas da USP – que foram assistidos por 28.075 pessoas.

A programação dos concertos realizados na Sala São Paulo pode ser conferida no site da Osusp. A aquisição de assinaturas e compra de ingressos avulsos (de R$ 12,00 a R$ 60,00), pode ser feita apenas pelo site www.ingressorapido.com.br

A Sala São Paulo está localizada na Praça Júlio Prestes, 16 – Luz, São Paulo – telefone (11) 3223-3966.
Mais informações pelo telefone: (11) 3091-3000, por e-mail sinfonica@usp.br ou pelo site.

(Fotos: Ernani Coimbra, Isabela Senatore e João Marcelo Chimentão)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Textos relacionados