Nota da USP sobre desocupação do prédio da Administração Central

São lamentáveis as cenas de depredação e vandalismo presenciadas no prédio da Administração Central da Universidade. A grande maioria da

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

São lamentáveis as cenas de depredação e vandalismo presenciadas no prédio da Administração Central da Universidade. A grande maioria da comunidade universitária e da sociedade civil se cansou desse método violento e ilegal utilizados por certas minorias. Trata-se de uma barbárie diante dos paulistas que mantém a USP. Há meios legítimos em uma sociedade de direito plena para resolver questões ou impulsionar mudanças. Protestos extraordinários são cabíveis em um Estado democrático de Direito, mas nunca com a utilização de atos considerados como crime pelo direito penal.

Como desdobramento do processo de reintegração, está sendo realizada uma auditoria patrimonial no prédio e na Torre do Relógio, para que se possa estabelecer uma estimativa dos prejuízos causados pela ocupação, referentes, principalmente, a furtos e danos a equipamentos e móveis, arrombamento de portas e pichação de paredes. Esforços estão sendo envidados para que o processo seja finalizado o mais breve possível. Embora previsto para conclusão em 14/11, em função da extensão dos danos, o processo de contabilização deverá se estender até o final do mês de novembro.

Face ao estado em que se encontra o prédio, prevê-se que seu funcionamento pleno se efetive em duas ou mais semanas. No local, trabalham cerca de 1000 servidores e estão instalados órgãos, como a Vice-Reitoria Executiva de Relações Internacionais, Programa USP Internacional, parte das Pró-Reitorias de Cultura e Extensão Universitária e de Graduação, Instituto de Estudos Avançados,  Agência USP de Inovação, Superintendências de Espaço Físico, Gestão Ambiental, Relações Institucionais, Comunicação Social, Saúde e Segurança, Secretaria Geral, Ouvidoria, Escola Técnica e de Gestão da USP e Departamento de Recursos Humanos.

Nos meses de outubro e novembro, foram realizadas seis reuniões de negociação da Comissão da Universidade com representantes do DCE Livre da USP. A proposta de termo de acordo estava condicionada à desocupação imediata e espontânea daquele prédio, bem como o fim da greve, o que, infelizmente, não se concretizou.

(Fotos: Ernani Coimbra / Marcos Santos)

* Atualizado em 14/11/13.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Textos relacionados