Ministra de Educação e Pesquisa da Alemanha visita a USP

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

A ministra de Educação e Pesquisa da Alemanha, Anette Schavan, e o vice-reitor da USP, Franco Maria Lajolo (Crédito da foto: Ernani Coimbra)

 

 

A USP, no dia 11 de março, recebeu a visita da ministra de Educação e Pesquisa da Alemanha, Anette Schavan, que veio à USP para um evento do Serviço Alemão de Intercâmbio Acadêmico (DAAD) e da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), no Anfiteatro Camargo Guarnieri. Na Reitoria, foi recepcionada pelo vice-reitor da USP, Franco Maria Lajolo, no Salão de Atos.  

 

Segundo a ministra, a intenção da visita foi a de concretizar a idéia da chanceler alemã, Angela Merkel, de melhorar as estratégias entre Brasil e Alemanha na área científica. “Desejo que a cooperação internacional na área científica, pesquisa e tecnológica se fortaleçam cada vez mais”, disse a ministra. Ela também parabenizou a USP pelos seus 75 anos de criação.

 

Os pró-reitores da Universidade, que também participaram do encontro, apresentaram, à comitiva da ministra, um panorama da USP e sua atuação no ensino, pesquisa e extensão. A pró-reitora de Graduação, Selma Garrido Pimenta, falou do orgulho dos alunos em estudar na Universidade e da necessidade da internacionalização. “O programa de internacionalização é importante, porque permite visão ampla da diversidade deste mundo”, ressaltou. 

 

Sobre a pós-graduação, o pró-reitor Armando Corbani Ferraz disse que 5% dos 22 mil estudantes de Mestrado e Doutorado fazem estágio no exterior, e que a USP também recebe estudantes estrangeiros, o que corresponde de 2 a 3% do total. “A USP é a que mais forma doutores no mundo, com uma média de 2.200 por ano”, lembrou Ferraz.

 

Na área de pesquisa, a presidente do Programa de Iniciação Científica e assessora da Pró-Reitoria de Pesquisa, Maria Angélica Miglino, afirmou que “a USP é responsável por 28% da pesquisa científica nacional”. Já na área de extensão, o pró-reitor de Cultura e Extensão Universitária, Ruy Alberto Corrêa Altafim, ressaltou que os cursos de extensão universitária congregam um público estimado em 36 mil alunos.

 

Para marcar o encerramento do encontro, o vice-reitor Franco Maria Lajolo falou dos desafios que a USP enfrenta. ”Ela precisa continuar a expandir a excelência que tem e produzir conhecimento científico com possibilidade de dialogar com outras produções fora da USP também”, destacou. 

 

Estiveram presentes ao encontro, pela USP, a presidente da Comissão de Cooperação Internacional (CCint), Marisa Aparecida Regitano d’Arce; a secretária geral, Maria Fidela de Lima Navarro; e o chefe do Gabinete da Reitora, Alberto Carlos Amadio. Pela comitiva da ministra alemã, o embaixador da Alemanha no Brasil, Friedrich Prot Von Kunow; o presidente do Serviço Alemão de Intercâmbio Acadêmico (DAAD), Stephan Mormuth; e a diretora do DAAD no Brasil, Gabriele Althoff. O diretor de Relações Internacionais da Capes, Sandoval Carneiro, e o reitor da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Álvaro Prata, também marcaram presença.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail