Instituto de Estudos Europeus, coordenado pela USP, inicia suas atividades

O Instituto tem como objetivo maximizar a cooperação bilateral entre o Brasil e a União Europeia, através de atividades de ensino, pesquisa e extensão.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

A criação do Instituto de Estudos Europeus é uma iniciativa que se insere no âmbito da parceria estratégica entre o Brasil e a União Europeia

(da esq.p/dir) O coordenador geral da Unicamp, Edgar Salvadori De Decca; o pró-reitor de pesquisa da USP, Marco Antonio Zago; o chefe do setor de cooperação da UE no Brasil, Jerome Poussielgue; e o coordenador do IEE-BR, Moacyr Martucci Jr

Na tarde do dia 29 de novembro, aconteceu o lançamento do Instituto de Estudos Europeus (IEE-BR), um consórcio de Universidades Brasileiras e Europeias, coordenado pela USP, com sete universidades brasileiras como parceiras e sete universidades europeias como associadas. O objetivo é maximizar a cooperação bilateral entre o Brasil e a União Europeia (UE), através de atividades de ensino, pesquisa e extensão, contribuindo para o desenvolvimento da educação superior no Brasil, em temas de interesse mútuo.

A cerimônia, realizada na Sala de Conselho Universitário, teve início com a veiculação de um vídeo do embaixador João Pacheco, chefe da Delegação da União Europeia no Brasil, falando da relevância do Instituto, que pretende desenvolver pesquisas para conhecer melhor a Europa e o Brasil. “É um dos projetos mais importantes de cooperação que a União Europeia vai manter com o Brasil”, destacou o embaixador.

Outro fator importante deste Instituto, segundo o coordenador geral da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Edgar Salvadori De Decca, é que ele pretende abranger todas as áreas de conhecimento. O pró-reitor de pesquisa, Marco Antonio Zago, lembrou que a iniciativa da criação desta cooperação deve-se também ao peso crescente do Brasil no cenário mundial, na economia, pesquisa e tecnologia e, ressaltou que a Europa representa 1/4 de todo o comércio exterior brasileiro e 16% da produção cientifica no Brasil é feita em cooperação com países deste continente.

Diálogo, ensino, pesquisa e extensão

Representantes do consórcio de Universidades Brasileiras e Europeias, que formam o Institudo de Estudos Europeus

O Instituto terá atividades de diálogo, com a realização de workshops, congressos anuais, fóruns de discussão; acadêmicas, que consiste na criação de programa de Pós-Graduação Stricto Sensu – Doutorado em Estudos Europeus, oferecimento de disciplinas optativas na graduação, uniformização de titulação e reconhecimento mútuo de títulos obtidos no Brasil e na UE; pesquisa, através do incentivo às pesquisas em colaboração já existentes, à promoção de novas pesquisas em colaboração; e extensão, através da criação de cursos de Especialização Lato Sensu, biblioteca digital, informações sobre financiamento para estudantes e pesquisadores.

Há previsão, ainda, de ser construído, em 2011, um escritório central na Universidade e outros núcleos regionais nas outras Universidades parceiras no Brasil.

Após a assinatura do documento de criação do IEE-BR, o coordenador deste Instituto, Moacyr Martucci Junior, professor da Escola Politécnica, iniciou sua primeira atividade, convidando algumas autoridades diplomáticas e acadêmicas presentes para debater sobre a cooperação entre o Brasil e a Europa.

O cônsul geral da Bélgica em São Paulo, Peter Klaus, uma das autoridades que participam da discussão, ressaltou que a ideia de formar o IEE-BR é muito bem-vinda, pois, acredita que o conhecimento que ambos têm sobre o outro – Brasil e Europa – ainda é muito pouco, o que o Instituto poderá ajudar a melhorar, com a participação também dos 13 consulados gerais em São Paulo, que estão à disposição deste projeto, de acordo com o cônsul.

Já o vice-reitor Executivo de Relações Internacionais, Adnei Melges de Andrade, aproveitou para comentar sobre a dedicação da USP na área internacional, falando dos programas e iniciativas. Ele citou dados da Comissão de Cooperação Internacional (CCInt), que revelam ser a Europa o principal destino para intercâmbio acadêmico dos estudantes da USP, e que estudantes oriundos da Europa aparecem em terceiro lugar na lista de estrangeiros na Universidade. Por fim, em tom de brincadeira, ele pediu aos representantes da União Europeia presentes para facilitarem a entrada dos estudantes brasileiros na UE e também incentivarem a vinda dos estudantes europeus para as universidades brasileiras.

A cerimônia foi finalizada com o convite do coordenador Martucci para o encontro que será realizado em Florianópolis, nos dias 6 e 7 de dezembro, para discutir a inclusão de novos parceiros.

Universidades Brasileiras

Universidade de São Paulo – USP
Universidade Estadual de Campinas –UNICAMP
Universidade Estadual Paulista Julio Mesquita Filho –UNESP
Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC
Universidade Federal de Goiás – UFG
Universidade Federal de Minas Gerais –UFMG
Universidade Federal do Piauí – UFPI
Universidade Federal do Pará –UFPA


Universidades Europeias

École nationale d’administration (ENA) – França)
Universidade do Porto –Porto (Portugal)
Université Libre de Bruxelles – Bruxelas
Brunel University – Londres
Università degli Studi La Sapienza –Roma (Itália)
Karlstads Universitet –Karlstad (Suécia)
Freie Universität Berlin –Berlim

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Textos relacionados