Ex-reitores e dirigentes assinam manifestos de repúdio à violência sindical

Os oito ex-reitores vivos da USP, além de 45 dirigentes de Unidades de Ensino e Pesquisa, Museus e Institutos Especializados, divulgaram manifestos em que repudiam a violência sindical na Universidade.

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Os oito ex-reitores vivos da Universidade de São Paulo (USP) – Adolpho José Melfi, Flavio Fava de Moraes, Hélio Guerra Vieira, Jacques Marcovitch, José Goldemberg, Roberto Leal Lobo e Silva, Suely Vilela e Waldyr Muniz Oliva -, além de 45 dirigentes de Unidades de Ensino e Pesquisa, Museus e Institutos Especializados, divulgaram manifestos em que repudiam a violência sindical na Universidade.

Leia, a seguir, a íntegra dos dois manifestos.

Manifestação dos ex-reitores da Universidade de São Paulo

Ex-reitores da Universidade de São Paulo, vimos manifestar nossa veemente repulsa à escalada de violência promovida por uma minoria que prega a desordem, arrogando-se pretensa representatividade da comunidade da USP. Externamos nosso apoio decidido à Instituição no combate a esse lamentável estado de coisas. A rotatividade dos mandatos na Reitoria, como em todas as funções de direção da Universidade, não interrompe nossos compromissos perenes para com esta e seus valores permanentes. Orientados, cada um ao seu tempo, por diferentes prioridades, conforme os desafios específicos de cada gestão, nos unimos para reafirmar a  convicção de que a USP é maior e mais forte do que os segmentos sectários adeptos da brutalidade, hoje lamentavelmente em evidência.

Desde sua fundação, esta Universidade foi palco de grandes e legítimos movimentos pela liberdade política, pelos direitos individuais e sociais e pelo progresso da ciência, todos fundados em práticas democráticas de debate interno e interação com a sociedade. A USP teve papel decisivo na redemocratização do País e jamais tolerou a imposição de  limites à manifestação do pensamento. A truculência das manifestações repetidas  nos últimos anos se mostra tanto maior quanto menores a representatividade dos que a promovem e a legitimidade dos pretextos alegados.

As táticas da violência antidemocrática de hoje, praticada a despeito de os canais de comunicação permanecerem abertos, não diferem, na essência, dos atentados à liberdade cometidos pelo regime autoritário no passado. A tentativa de paralisar, pelo emprego da força bruta, serviços essenciais ao funcionamento da Instituição e à assistência aos segmentos mais vulneráveis – como transportes, creches e refeitórios – repete a prática sombria de intimidação que a esmagadora maioria desta Comunidade Uspiana sempre repudiou.

Por isso reafirmamos nosso apoio à adoção de  medidas legais que ponham fim a essa escalada, assegurando à população do Estado de São Paulo, a quem esta Instituição pertence, que sua grande universidade de pesquisa jamais se curvará à força da brutalidade e jamais se afastará de seus objetivos de promoção do desenvolvimento por meio da investigação científica, dos altos estudos e da produção cultural.

Manifesto dos dirigentes da USP

Nós, diretores de Unidades de Ensino e Pesquisa, de Museus e de Institutos Especializados da USP, vimos a público manifestar nossa preocupação em relação aos desdobramentos dos últimos dias do movimento de reivindicação salarial. Preocupam-nos sobremaneira, ações condenáveis como atos de violência, invasão de prédio, depredação do patrimônio público e impedimento de acesso ao trabalho.

Manifestamos, no entanto, nosso reconhecimento ao direito de greve nos limites estabelecidos pela lei e conclamamos a comunidade da USP para buscarmos juntos soluções pacíficas para o equacionamento das questões que ora se colocam.

Prof. Dr. Albérico Borges Ferreira da Silva (IQSC)
Prof. Dr. Antonio Carlos Hernandes (IFSC)
Prof. Dr. Antonio Figueira (CENA)
Prof. Dr. Antonio Magalhães Gomes Filho (FD)
Prof. Dr. Antonio Roque Dechen (ESALQ)
Prof. Dr. Benedito Carlos Maciel (FMRP)
Prof. Dr. Carlos Roberto Azzoni (FEA)
Profa. Dra. Cecília Helena Oliveira (Museu Paulista)
Prof. Dr. César Ades (IEA)
Prof. Dr. Colombo Celso Gaeta Tassinari (IGc)
Prof. Dr. Douglas Emygdio de Faria (FZEA)
Profa. Dra. Emma Otta (IP)
Prof. Dr. Fernando Rei Ornelas (IQ)
Prof. Dr. Flávio Ulhoa Coelho (IME)
Prof. Dr. Go Tani (EEFE)
Prof. Dr. Helena Ribeiro (FSP)
Prof. Dr. Hussan El Dine Zaher (MZ)
Profa. Dra. Isília Aparecida Silva (Enfermagem)
Prof. Dr. Jorge Mancini Filho (FCF)
Prof. Dr. José Alberto Cuminato (ICMC)
Prof. Dr. José Antonio Visintin (FMVZ)
Prof. Dr. José Aquiles Baesso Grimoni (IEE)
Prof. Dr. José Carlos Pereira (FOB)
Prof. Dr. José Jorge Boueri Filho (EACH)
Prof. Dr. José Luiz de Morais (MAE)
Prof. Dr. José Roberto Cardoso (EP)
Prof. Dr. José Roberto Machado Cunha da Silva (Cebimar)
Prof. Dr. Marcos Boulos (FM)
Profa. Dra. Maria do Carmo Calijuri (EESC)
Prof. Dr. Mauro Wilton de Sousa (ECA)
Prof. Dr. Michel Michaelovitch de Mahiques (IO)
Prof. Dr. Nei Fernandes de Oliveira (EEL)
Prof. Dr.Osvaldo Luiz Bezzon (FORP)
Prof. Dr. Renato de Figueiredo Jardim (IF)
Prof. Dr. Rodney Garcia Rocha (FO)
Prof. Dr. Rudinei Toneto Junior (FEARP)
Prof. Dr. Rui Curi (ICB)
Profa. Dra. Sandra Margarida Nitrini (FFLCH)
Prof. Dr. Sebastião de Sousa Almeida (FFCLRP)
Prof. Dr. Sérgio de Albuquerque (FCFRP)
Profa. Dra. Silvia Helena de Bortoli Cassiani (EERP)
Prof. Dr. Tadeu Chiarelli (MAC)
Prof. Dr. Tércio Ambrizzi (IAG)
Prof. Dr. Valdir José Barbanti (EEFERP)
Prof. Dr. Welington Braz Carvalho Delitti (IB)

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Textos relacionados