Embaixadora do México no Brasil assume Cátedra José Bonifácio da USP

A Cátedra convida uma personalidade do mundo ibero-americano para ministrar atividades acadêmicas na Universidade durante um ano letivo

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail
Posse de Beatriz Paredes Rangel (embaixadora do México) na Catédra José Bonifácio em cerimônia realizada , dia 16, no Auditório Professor István Jancso da Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin. Dá esquerda para direita: Nelida Piñon, Felipe Gonzáles, Beatriz Paredes Rangel, Marco Antonio Zago, Vahan Agopyan, Enrique Iglesias, Raul Machado Neto, Manuel de la C'amara, Ronaldo Rondinelli. Foto: Cecília Bastos/USP Imagem
(Da esq.p/dir.) Os catedráticos Nelida Piñon, Felipe Gonzáles e Beatriz Paredes Rangel; o reitor Marco Antonio Zago; o vice-reitor, Vahan Agopyan; o catedrático Enrique Iglesias; o presidente da Aucani, Raul Machado Neto; o embaixador da Espanha no Brasil, Manuel de la Cámara Hermoso; e o diretor do Santander Universidades, Ronaldo Rondinelli

A embaixadora do México no Brasil, Beatriz Paredes Rangel, tomou posse como nova titular da Cátedra José Bonifácio, no dia 16 de março, em cerimônia realizada no Auditório “Prof. István Jancsó” da Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin, em São Paulo.

O evento contou com a presença de representantes diplomáticos, dirigentes da Universidade, além de docentes, funcionários e alunos.

O diretor do Instituto de Relações Internacionais (IRI) e coordenador do Centro Ibero-Americano (Ciba), Pedro Bohomoletz de Abreu Dallari, foi o primeiro a se pronunciar e fez uma breve explanação do trabalho que vem sendo desenvolvido na Cátedra, criada em 2013.

A Cátedra é uma iniciativa do Ciba, núcleo ligado à Pró-Reitoria de Pesquisa e ao IRI, que convida uma personalidade do mundo ibero-americano para ministrar atividades acadêmicas na Universidade durante um ano letivo. Os convidados desenvolvem pesquisa na Universidade, na temática referente à sua especialidade. Além disso, são realizadas conferências abertas à comunidade e, até mesmo, específicas para docentes e discentes.

O primeiro titular da Cátedra foi o ex-presidente do Chile, Ricardo Lagos, que tratou do tema “O desenvolvimento da América Latina e a governança internacional”. Os artigos produzidos durante o período foram publicados na coletânea “A América Latina no Mundo”, lançada pela Edusp. Em 2014, o secretário-geral da Secretaria-Geral Ibero-Americana, Enrique Iglesias, esteve à frente das atividades e coordenou o livro “Os Desafios da América Latina no Século XXI”, também lançado pela Edusp. Em 2015, foi a vez da escritora Nélida Piñon, que lançou o livro “As matrizes do fabulário ibero-americano”.

Pós-verdade

Lançamento do livro Governança e Democracia Representativa na Livraria da EDUSP. Coordenação Felipe Gonzales. Foto: Cecília Bastos/USP Imagem
O evento marcou a despedida do ex-primeiro-ministro da Espanha, Felipe González Márquez, que lançou o livro “Governança e Democracia Representativa”

O evento marcou a despedida do ex-primeiro-ministro da Espanha, Felipe González Márquez, que conduziu os trabalhos da Cátedra em 2016, quando abordou a crise da democracia representativa no mundo. Esse também é o tema do livro “Governança e Democracia Representativa”, lançado pela Edusp na ocasião, sobre os resultados das pesquisas realizadas aquele ano.

Na cerimônia, o catedrático foi saudado pelos pesquisadores Kelly Komatsu Agopyan e Wagner Pinheiro Pereira.

Em seguida, González destacou que “a democracia representativa, aquela que nos permite viver com liberdade, vem se mostrando uma relativa exceção no planeta, afeita a áreas muito reduzidas do mundo”.

Segundo ele, dois fatores exógenos pressionam a democracia representativa: a globalização, que criou novas formas de interdependência, principalmente do sistema financeiro global; e a revolução tecnológica, que mudou os sistemas de produção.

González também citou o poder das redes sociais, como Facebook e Twitter, na proliferação de boatos e mentiras, fenômeno conhecido como “pós-verdade”, que também influenciam na governança do sistema representativo. “A pós-verdade não é igual à mentira. É uma realidade alternativa, inventada, que não corresponde à verdade, mas não é uma mentira. Daí, a dificuldade em combatê-la”, afirmou.

Para ele, as respostas a esse desafio estão na educação. “As universidades devem preparar os jovens para as incertezas do futuro”, considerou.

Vínculos

Posse de Beatriz Paredes Rangel (embaixadora do México) na Catédra José Bonifácio em cerimônia realizada , dia 16, no Auditório Professor István Jancso da Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin. Foto: Cecília Bastos/USP Imagem
“A Cátedra servirá para fortalecer os vínculos de cooperação entre essas duas grandes Universidades [USP e Unam], cuja significação na América Latina é muito importante para a educação superior e o desenvolvimento de nossos países”, ressaltou Beatriz
O presidente da Agência USP de Cooperação Acadêmica Nacional e Internacional (Aucani), Raul Machado Neto, fez a saudação à nova catedrática.

Beatriz Paredes Rangel é embaixadora do México no Brasil desde 2012. Socióloga formada pela Universidad Nacional Autónoma de México (Unam), Beatriz presidiu o Congresso da União, a Câmara de Deputados e o Senado da República do México. Foi presidenta do Parlamento Latino-Americano e embaixadora do México em Cuba.

No Governo Federal mexicano, foi vice-ministra no Ministério de Governação em três ocasiões e vice-ministra da Reforma Agrária. Em seu estado natal, Tlaxcala, foi governadora, sendo a segunda mulher a ocupar esse posto no país. É militante da Confederação Nacional Campesina e do Partido Revolucionário Institucional, dos quais também foi presidente.

“Os povos originários da América Latina: história e atualidade” foi o tema escolhido por Beatriz para o programa de investigação que desenvolverá ao longo de 2017 na USP.

“A Cátedra servirá para fortalecer os vínculos de cooperação entre essas duas grandes Universidades [USP e Unam], cuja significação na América Latina é muito importante para a educação superior e o desenvolvimento de nossos países”, ressaltou Beatriz.

Em sua explanação, a embaixadora falou sobre a história do México e a relação de seu país com os Estados Unidos, dando uma prévia dos temas que serão abordados durante sua atuação à frente da Cátedra.

“Pelo conhecimento vencerás”

Apresentação da Orquestra Sinfônica da USP (Osusp), com participação do maestro espanhol Alexis Soriano e um programa em homenagem aos 150 anos da morte do compositor espanhol Enrique Granados.
O maestro espanhol Alexis Soriano foi o convidado da Osusp, que homenageou os 150 anos do nascimento do compositor espanhol Enrique Granados

O reitor da USP, Marco Antonio Zago, salientou que “a Universidade acredita no poder do conhecimento como motor de mudanças na sociedade, tanto que, em seu brasão d’armas, consta o lema ‘Pelo conhecimento vencerás’”. E completou: “A Cátedra tem exatamente o perfil de tratar da criação e análise crítica do conhecimento e da transmissão do conhecimento em um domínio específico, com foco nas questões políticas, econômicas, sociais e culturais da América Latina”.

O encerramento da cerimônia foi marcado pela apresentação musical da Orquestra Sinfônica da USP (Osusp), que teve como convidado o maestro espanhol Alexis Soriano.

O programa do concerto homenageou os 150 anos do nascimento do compositor espanhol Enrique Granados. A participação do regente contou com o apoio do Consulado-Geral da Espanha em São Paulo, da Embaixada da Espanha no Brasil e da Acción Cultural Espanhola (AC/E).

(Fotos: Cecília Bastos / USP Imagens)

 

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Textos relacionados