A USP não pode mais ser palco de barreiras impostas pela força física

Uma vez mais, o campus da USP localizado no Butantã amanhece com seus portões bloqueados. Algumas poucas pessoas e veículos simplesmente se postam nas entradas da Universidade e impedem, pela intimidação e pela força física, que estudantes, alunos, professores, funcionários e visitantes entrem e saiam livremente.

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Uma vez mais, o campus da USP localizado no Butantã amanhece com seus portões bloqueados. Algumas poucas pessoas e veículos simplesmente se postam nas entradas da Universidade e impedem, pela intimidação e pela força física, que estudantes, alunos, professores, funcionários e visitantes entrem e saiam livremente.

Uma vez mais, uma agressão contra o direito de ir e vir, imposta pela vontade unilateral de uma minoria ínfima.

Esse tipo de atitude agride não apenas o direito de ir e vir. Agride a razão. No fundo, agride o próprio espírito que norteia a Universidade como casa do saber, da convivência plural, da ciência e da paz.

É por isso que, ontem (8/6), ao tomar conhecimento da iminência dessa agressão irracional, esta Reitoria ficou perplexa – mas não ficou surpresa, o que é muito triste. A truculência, infelizmente, tem sido uma atitude esperada no ambiente da USP, muito embora inadmissível.

Não é possível compreender os motivos de tamanha insensatez. O que querem essas pessoas? Fazer propaganda de suas reivindicações? Será que não perceberam o óbvio, que tudo o que fazem é uma propaganda negativa de si mesmos e de toda a nossa Universidade? Ou será que a intenção é desmoralizar a USP aos olhos do povo paulista, que trabalha todos os dias para sustentá-la? Se o objetivo for esse, talvez estejam conseguindo alcançá-lo. Mas, que é triste, é triste.

Diante do fato consumado de bloqueios opressivos e intimidatórios em seus portões de entrada, a Reitoria tem o dever de procurar restabelecer a normalidade da situação, com base na lei democrática. Não há alternativa.

Por isso, a Procuradoria Geral da USP ingressou com uma ação de interdito proibitório junto à Vara da Fazenda Pública da Capital, obtendo liminar favorável. Ontem mesmo (8/6), após o deferimento da liminar, o sindicato foi devidamente citado, tomando ciência da ordem judicial que, inclusive, prevê multa diária de R$ 10 mil em caso de descumprimento.

No entanto, afrontando a decisão judicial, de modo, repetimos, incompreensível, a entidade citada bloqueou arbitrária e unilateralmente os três portões de acesso ao campus. O transtorno que isso causa é vergonhoso para todos nós.

O que fazer agora? De sua parte, a Reitoria está tomando novas medidas judiciais a fim de garantir o retorno à normalidade da vida universitária, desejo da imensa maioria dos docentes, servidores e alunos. Quanto ao mais, só nos resta apelar ao bom senso e ao espírito de tolerância.

Somos uma Universidade pública, gratuita e livre. Aqui, todas as opiniões têm voz e têm lugar. Vamos dialogar, vamos conversar, vamos nos entender e vamos deixar de lado o recurso à violência que molesta a ninguém mais do que a nós mesmos e aos trabalhadores paulistas que sustentam nossos empregos.

Fazemos, assim, um novo chamamento à razão e à paz. A USP não pode mais ser lugar de brutalidades.

São Paulo, 9 de junho de 2016.

Reitoria da USP

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Textos relacionados