São Carlos tem novos diretores e inaugura prédios

No dia 19 de novembro foram realizadas diversas atividades: inauguração de laboratório e departamento, posses, outorga de título e lançamento de selo comemorativo.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail
O LEMI trabalha com a pesquisa de escoamento multifásico e em toda a área upstreamda produção de petróleo

O dia 19 de novembro, quarta-feira, foi marcado por inaugurações de novas instalações e posses de diretores e vice-diretores no campus da USP em São Carlos.

Pela manhã, às 10h, foi realizada a inauguração do Laboratório de Escoamentos Multifásicos Industriais (LEMI), do Departamento de Engenharia Mecânica da Escola de Engenharia de São Carlos (EESC). “Em um país que carece de infraestrutura e de mão-de-obra qualificada, nós estamos cumprindo este papel. Este edifício é muito importante para a Escola e para o campus. É um marco, porque pela primeira vez foi construído um prédio totalmente com verbas federais, da Petrobras, e vamos fazer com que este prédio seja referência”, destacou o diretor da EESC, Geraldo Roberto Martins da Costa.

O gerente de Tecnologia de Elevação e Escoamento da Petrobras, Roberto Carlos Gonçalves de Oliveira, falou dos investimentos feitos pela empresa no LEMI e da importância que este tipo de laboratório tem para a indústria do petróleo. Para o reitor Marco Antonio Zago, o LEMI é o símbolo de cooperação entre a maior empresa e a universidade mais expressiva do Brasil: a Petrobras e a USP; sendo uma importante parceria da universidade com o setor produtivo, o que ele destaca como sendo uma característica das universidades, em uma relação entre a geração de tecnologia e quem a utiliza. “A universidade precisa de mais iniciativas como essa”, ressalta o dirigente.

O LEMI trabalha com a pesquisa de escoamento multifásico e em toda a área upstreamda produção de petróleo, como elevação e transporte de petróleo e gás, com foco específico no présal. O novo prédio tem aproximadamente 2 mil m2, na área 2 do campus da USP em São Carlos, e que foi concluído como parte do Termo de Cooperação entre a USP e a gerência do CENPES da Petrobras,  intitulado “Melhoria da Infraestrutura para Ampliação do Laboratório de Escoamentos Multifásicos Industriais (LEMI)”. Além disso, equipamentos e instrumentação de última geração foram adquiridos e já estão sendo utilizados no antigo prédio do laboratório supracitado. Foram contratados aproximadamente R$ 4 milhões para a construção do prédio e, em breve, serão liberados mais R$ 17 milhões para a compra de novos equipamentos e contratação de pessoal, a novos projetos de pesquisa com a Petrobras e a britânica BG (antiga British Gas).

Em seguida, aconteceu a inauguração das novas instalações do Departamento de Engenharia de Materiais da EESC, que dá suporte ao curso de Engenharia de Materiais e Manufatura da Unidade, o qual terá a conclusão da sua primeira turma de alunos neste ano. O início da obra foi em novembro de 2009 e a conclusão em novembro de 2013. Foram investidos cerca de R$ 7 milhões para execução da infraestrutura predial e R$ 2.400 milhões para aquisição de equipamentos dos laboratórios de ensino. O prédio tem 5.770 m2 e abriga os laboratórios de ensino e pesquisa, as salas dos docentes, setores administrativos e um Anfiteatro.

Às 15h, foi realizada a cerimônia de posse da nova direção do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC), no Auditório Fernão Stella Rodrigues Germano

ICMC

Às 15h, foi realizada a cerimônia de posse da nova direção do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC), no Auditório Fernão Stella Rodrigues Germano. A vice-diretora Maria Cristina Ferreira de Oliveira, que está no ICMC desde 1982, quando ingressou na Graduação, relembrou da sua trajetória escolar e disse se sentir muito honrada em assumir o cargo. “Nossa responsabilidade é grande no ICMC e na USP, porque vamos formar os futuros líderes que vão ser responsáveis e participar das transformações tecnológicas que o mundo passa”, frisou.

O diretor Alexandre Nolasco de Carvalho também contou sobre a sua trajetória e destacou algumas metas para a gestão. “Vamos dar continuidade à qualificação dos servidores, apoio institucional às pesquisas, além de intensificar a parceria com a Secretaria de Educação para a formação de professores”.

Em seu discurso, o reitor convidou a todos do ICMC para focar na missão da universidade, lembrou que nos rankings internacionais a USP aparece entre as melhores universidades do mundo e que 20% de todos os títulos de doutor, nos últimos anos no Brasil, são expedidos pela instituição. “É urgente afirmar com veemência que a USP é o maior patrimônio de ensino no País, pois muitas coisas não existiriam se não fossem os egressos desta universidade”.

IQSC

No fim da tarde ocorreu a posse dos professores Germano Tremiliosi Filho e Eder Tadeu Gomes Cavalheiro, respectivamente, como diretor e vice-diretor do Instituto de Química de São Carlos (IQSC).

Na ocasião, Tremiliosi, que está no na direção desde maio, apresentou projeção com o artigo 42 do Regimento Geral da USP, no qual estão às atribuições do cargo que está ocupando, para dizer que as responsabilidades são maiores. O diretor recordou a história da Unidade, na qual a Pós-Graduação foi criada dois anos antes que a Graduação, o que segundo ele expressa a sua importância na formação de doutores em química, já que 12% foram pelo IQSC, mesmo existindo mais de 50 programas no País.

No fim da tarde ocorreu a posse dos professores Germano Tremiliosi Filho e Eder Tadeu Gomes Cavalheiro, respectivamente, como diretor e vice-diretor do Instituto de Química de São Carlos (IQSC)

O diretor ressaltou que na Unidade há grupos de pesquisa sobre grandes problemas que a sociedade está passando, como água de reuso, energia, câncer, doenças tropicais. E, também relatou os desafios administrativos da sua administração, na qual já criou uma assessoria de planejamento, “porque é importante saber o que deve ser feito daqui há três, cinco, dez anos”; está elaborando um Portal da Transparência do IQSC; a criação do curso de Bacharelado em Gestão de Qualidade, que deixaria de ser uma ênfase do curso de Química, e uma nova ênfase em Química Medicinal.

“A posse de novos dirigentes é sempre um momento de festa na universidade, de renovação, balanço”, disse o reitor, que assim como na cerimônia do ICMC destacou o fato da USP estar entre as melhores instituições nos rankings internacionais, que teve papel importante na consolidação da Pós-Graduação no Brasil. O dirigente comentou também sobre assuntos recentes que envolvem a instituição, citando que “não existe crise na universidade, mas sim um conflito de ideias”, e que não há atividades fins que estejam sendo prejudicadas por falta de verbas, “porém, a USP não deve gastar dinheiro com hospitais, em detrimento das suas missões”.

Zago também falou que o número de horas e disciplinas que os graduandos passam em salas de aula devem ser repensadas e diminuídas, das mudanças relativas à Graduação aprovadas pelo Conselho Universitário em sua última sessão, no dia 18; além das Comissões criadas em sua gestão para analisar diversos setores, “para diminuir as rotinas administrativas, ter bom senso e responsabilidade para tomar as decisões”.

Professor Emérito e selo comemorativo

Durante a cerimônia de posse foi outorgado o título de professor emérito ao primeiro diretor do IQSC, Ernesto Rafael González, que segundo o professor Edson Ticianelli, que fez a sua saudação, teve papel importante na implantação da Pós-Graduação na Unidade, está entre os cientistas mais citados do mundo; assumiu vários cargos administrativos na universidade; e continua orientando alunos e publicando artigos, mesmo após sua aposentadoria.

Ao receber o título, González disse, emocionado, que a homenagem “é um reconhecimento das minhas atividades em uma instituição a que estive vinculado por 40 anos e na qual continuo trabalhando e pesquisando mesmo após a aposentadoria”.  Este título é uma distinção concedida, segundo o artigo 93 do Estatuto da USP, a professores aposentados, que se destacaram por atividades didáticas e de pesquisa ou contribuído, de modo notável, para o progresso da Universidade; cuja concessão depende de aprovação de dois terços, respectivamente, dos componentes do Conselho Universitário ou das Congregações das Unidades. No IQSC foi o segundo título concedido.

Como o IQSC está comemorando 20 anos de existência – data em que ocorreu o desmembramento do Instituto de Física e Química de São Carlos (IFQSC) em duas instituições: IFSC e IQSC – a Unidade e os Correios lançaram um selo comemorativo para marcar este jubileu.

(Fotos: Ernani Coimbra)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Textos relacionados