Aumenta número de inscritos no vestibular vindos de escolas públicas

Dos 159.609 candidatos inscritos para disputar 11.082 vagas, 53.227 são candidatos de escolas públicas. No ano passado, o processo seletivo teve 46.106 candidatos do Inclusp.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInImprimir esta páginaEnviar por e-mail
159.609 candidatos estão inscritos para realizar a primeira fase da Fuvest

No próximo dia 25 de novembro, domingo, às 13h, será aplicada a prova da primeira fase do vestibular da Fuvest 2013, que neste ano teve a inscrição de 159. 609 candidatos para disputar 11.082 vagas, 10.982 na USP e 100 na Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa. Deste total de inscritos, 53.227 são candidatos de escolas públicas que fazem parte do Programa de Inclusão Social da USP (Inclusp). No ano passado, o processo seletivo teve a inscrição de 146.892 candidatos, tendo 46.106 candidatos do Inclusp.

Uma das razões para o aumento no número de inscritos, conforme avalia a pró-reitora de Graduação, Telma Maria Tenório Zorn, é fruto do empenho da USP em divulgar a Universidade e o seu vestibular aos alunos de escolas públicas, especialmente por meio do Programa “Embaixadores da USP”, que resultou em um número maior de inscrições dos alunos destas escolas no processo seletivo deste ano. “Os embaixadores representam uma das principais formas de conhecimento sobre a USP, que tem como um dos objetivos trazer, aproximar o aluno de escola pública da Universidade mostrando que ele tem chances de disputar e conseguir uma vaga”, afirma a pró-reitora.

O Programa Embaixadores da USP, que existe desde 2007, promove a visita de alunos e docentes da USP às escolas da rede pública, com a missão de fornecer informações e esclarecer dúvidas sobre o vestibular, as ações de inclusão social e os cursos de graduação. A novidade da edição deste ano foi que, além dos estudantes ingressantes na USP beneficiados pelo Inclusp, todos os alunos de graduação e de pós-graduação também puderam participar das visitas. E essa participação foi recorde: 1.543 alunos de graduação, 161 de pós-graduação e 102 docentes dos sete campi da Universidade visitaram cerca de 3.500 escolas em todo o Estado de São Paulo. No ano passado, 128 escolas foram visitadas pelos 348 embaixadores.

Mais do que uma visita

Os embaixadores relatam que o principal estímulo para participar do Programa foi a chance de levar mais conhecimento sobre a USP e o vestibular, como afirma o estudante da Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH), Adriano Lins de Lima. “Sou oriundo de escola pública e, na época que prestei a Fuvest não tive nenhuma informação sobre o procedimento”. Mostrar que a USP é um sonho possível e encorajar outros estudantes da rede pública de ensino com o seu exemplo foram a motivação de duas outras embaixadoras vindas de escolas públicas, a aluna de graduação da Faculdade de Odontologia, Roberta Melo Fukuzava, e a pós-graduanda da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH), Karla Pinhel Ribeiro.

Para a estudante da Escola de Artes e Comunicação (ECA), Angelina Moreira de Souza, o Programa vai “além de simplesmente ir a um colégio público e falar da USP e seus programas, mas de retornar à escola que se estudou, mostrar aos professores que me deram aula a conquista, informar, conscientizar e incentivar outros alunos, através da nossa própria experiência de vida, dos benefícios e importância de se fazer o vestibular e tentar a faculdade pública”.

Durante as visitas, os alunos das escolas públicas visitadas ficaram surpresos e até comovidos com a experiência de vida relatada pelos embaixadores até o momento de ingressar na USP, mas também entusiasmados e interessados, perguntando sobre como fazer a inscrição para o vestibular, e aproveitaram para saber mais sobre as carreiras existentes na Universidade. “De início ficaram um pouco surpresos porque nunca nenhum embaixador havia visitado a escola. Apenas faculdades particulares haviam feito visitas e visitas. Mas, essa aproximação [visita de um embaixador conhecido por eles] os deixaram determinados a também perseguirem a ideia de fazer parte da USP”, revela Fernanda Duduch, da graduação da FFLCH.

Os resultados do trabalho dos embaixadores podem ser notados na declaração de Angelina.“Alguns alunos, inclusive, depois de alguns dias, pararam-me na rua para dizer que haviam se inscrito nos programas de apoio e inclusão social da USP”. Pelos relatos dos embaixadores percebe-se que a experiência das visitas também foi importante para eles.“É gratificante saber que posso contribuir para uma sociedade mais justa e digna”, declara o graduando da Escola Superior Luiz de Queiroz (Esalq), Adriano Claudino da Silva. “É muito gratificante, é dar uma esperança maior para eles, é dizer: olha, a USP é acessível a vocês!!!”, revela o estudante de pós-graduação do Instituto de Matemática e Estatística (IME), Everton Juliano da Silva, que acredita valer a pena investir no Programa Embaixadores.

Inclusp e Pasusp

Outro fatores importante para o aumento de inscritos de escolas públicas na Fuvest foram os aperfeiçoamentos, desde o vestibular do ano passado, no Inclusp e no Pasusp. O primeiro é destinado aos alunos que realizaram o ensino médio integralmente em escolas públicas brasileiras e que declaram, no momento da inscrição da Fuvest, sua opção por participar dos benefícios do Programa; o segundo é para os alunos que cursaram o ensino fundamental integralmente em escolas públicas e ainda estão cursando o ensino médio também na rede pública. Neste ano, o Pasusp teve 22.298 inscritos no Programa e também no vestibular da Fuvest.

Com as mudanças, as provas para os candidatos do Pasusp passaram a ser as mesmas do exame da Fuvest feitas juntamente com os demais candidatos; sem cobrança da taxa de inscrição para estes alunos; o Programa foi estendido aos alunos matriculados no 2º ano, que podem obter até 5% de bônus– que carregam para o ano seguinte, quando prestarem o vestibular; e até 10% para alunos matriculados no 3º ano. O Pasusp passou a oferecer ao estudante que participa do programa até 15% de bônus no vestibular da Fuvest, dependendo da pontuação obtida na primeira fase.

O objetivo desta extensão do Pasusp aos alunos do 2º ano “é estimular e trazer estes alunos para o ambiente do vestibular , assim como os das escolas particulares que fazem o processo seletivo como treineiros há muito tempo”, diz a pró-reitora de Graduação. Criado em 2006, o Inclusp é um conjunto de ações de inclusão social – do qual também fazem parte o Embaixadores e o Pasusp – com o intuito de ampliar o acesso e o ingresso do estudante de escola pública à USP, além de apoiá-los em sua permanência com ações antes (divulgação), durante (bonificação nas provas do vestibular); e após o vestibular (política de permanência e formação estudantil, que oferece bolsas de auxílio financeiro e acompanhamento do desempenho do aluno durante a graduação).

Em 2012, mais alunos da rede pública de ensino ingressaram na USP: 28%, registrando aumento de dois pontos percentuais em relação ao ano passado.

(Foto: Marcos Santos)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Textos relacionados