Palestra de ganhador de Prêmio Nobel inspira jovens cientistas

Contemplado com o Prêmio Nobel de Química em 2004, Aaron Ciechanover falou para uma plateia de 300 pesquisadores

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

O médico e bioquímico israelense Aaron Ciechanover falou, no dia 9 de agosto, para uma plateia de 300 pesquisadores no auditório do Instituto de Radiologia (InRad).

Juntamente com os pesquisadores Avram Hershko, seu colega no Instituto de Tecnologia de Israel (Technion), e Irwin Rose (Universidade da Califórnia, EUA), Ciechanover foi um dos responsáveis pela descoberta do processo de decomposição de proteínas mediado pela ubiquitina. Esse é um dos mais importantes fenômenos cíclicos das células, fundamental em processos como a divisão celular, a reparação do DNA ou o aparecimento do câncer. Ao longo dos anos, a descoberta desse processo se tornou uma plataforma importante para o desenvolvimento de novos medicamentos. Os cientistas foram premiados, em 2004, com o Prêmio Nobel na área de Química.

“Esta palestra, supostamente, deveria ser uma inspiração para jovens pesquisadores, mas é uma inspiração para todos os pesquisadores, inclusive eu mesmo. Estou muito feliz porque, além de todos esses rostos jovens, há também muitos rostos conhecidos aqui”, disse o reitor Marco Antonio Zago.

Promovido em parceria com o Nobel Media e a empresa farmacêutica Astra Zeneca, o evento faz parte do Nobel Prize Inspiration Initiative (NPII), um programa global que leva premiados com o Nobel para universidades e centros de pesquisas, a fim de inspirar e envolver jovens cientistas, a comunidade científica e o público. Para o pró-reitor de Pesquisa, José Eduardo Krieger, “a interação direta com grandes expressões da pesquisa internacional faz parte da formação de jovens pesquisadores e estimula o ambiente universitário e as grandes conquistas”.

Falando sobre sua pesquisa, Ciechanover brincou dizendo que “foi mais ou menos como na história de Moisés, só que, ao bater com o cajado na rocha, nós acabamos liberando um Rio Amazonas”. Ele explicou como uma descoberta pode gerar conhecimento, ser o ponto de partida para outras pesquisas e levar ao desenvolvimento de novas drogas que beneficiarão inúmeras pessoas.

“Esse é um bom exemplo de como a pesquisa de base se origina da curiosidade, porque inicialmente a descoberta não tinha nada a ver com a pesquisa de doenças ou o desenvolvimento de novos remédios. Se os países querem ser bem-sucedidos em pesquisa, esse é o caminho a seguir. Eles não devem priorizar o financiamento de pesquisas específicas ou pesquisas aplicadas, mas sim detectar e apoiar os bons pesquisadores e as boas pesquisas. Há uma colaboração tradicional em que as universidades desenvolvem a pesquisa fundamental e as companhias farmacêuticas, por exemplo, fazem o resto. Essa divisão de trabalho deve ser mantida, porque, se as universidades decidirem se transformar em uma indústria farmacêutica, estaremos perdidos”, defendeu o laureado.

slide
Aaron Ciechanover, vencedor do prêmio Nobel de Química 2004
slide
A palestra reuniu cerca de 300 pesquisadores, no auditório do InRad
slide
Aaron Ciechanover, vencedor do prêmio Nobel de Química 2004
slide
Reitor Marco Antonio Zago
slide
Aaron Ciechanover, vencedor do prêmio Nobel de Química 2004
slide
O evento foi promovido em parceria com o Nobel Media e a empresa farmacêutica Astra Zeneca
Prev
Next

 

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Textos relacionados